Início Cultura Língua Portuguesa: regras para usar a vírgula corretamente

Língua Portuguesa: regras para usar a vírgula corretamente

Os sinais de pontuação são essenciais e entre os diferentes sinais está a vírgula. Conheça as regras para usar a vírgula corretamente.

regras para usar a vírgula
Língua Portuguesa: regras para usar a vírgula corretamente

Os sinais de pontuação são essenciais e entre os diferentes sinais está a vírgula. Este sinal de pontuação representa uma breve pausa no texto, sendo também utilizado para separar termos da oração ou orações de um período. Conheça as regras para usar a vírgula corretamente.

Vírgulas obrigatórias

Separam-se os constituintes com idêntica função sintática (quando não estão ligados pelas conjunções e/ou) com uma vírgula.

– Boa aplicação da vírgula: Atirei a bola, os coletes e as luvas ao Manuel.

– Boa aplicação da vírgula: Atirei a bola ao Manuel, ao João e ao Filipe.

O vocativo é delimitado por vírgulas

O vocativo não pertence nem ao sujeito, nem ao predicado. É o termo que serve para interpelar, chamar, invocar um ouvinte hipotético ou real. É um termo que não possui relação sintática com outro termo da oração, devendo por isso ter a vírgula a delimitá-lo.

– Exemplo: Não fales tão alto, Maria!


Leia também: Dúvidas de Português: obrigado ou obrigada?


Os constituintes apositivos são delimitados por vírgula

– Emprestei a bola ao João, o filho da D. Maria.

– Emprestei a bola, uma bela bola de couro, ao João.

– Eu, que não sou de generosidades, emprestei a bola ao João.

No início de uma oração, deve colocar-se uma vírgula na sequência de um sim ou de um não, quando estes advérbios se referem a uma oração anterior.

– Sim, isto é um caso perdido!

Quando os conetores adverbiais ocorrem em posição inicial de frase, são seguidos de vírgula. Quando os conetores adverbiais estão intercalados, são delimitados por vírgula.

– Emprestei o livro ao Pedro. Logo, o Pedro teve a oportunidade de o ler.

– Emprestei o livro ao Pedro. Contudo, o Pedro optou por não o ler.

– Emprestei o livro ao Pedro. Porém, o Pedro não gosta de ler.

– Emprestei o livro ao Pedro. Por isso, o Pedro podia ter estudado por ele.

À exceção da conjunção coordenativa “e”, as conjunções são antecedidas por uma vírgula.

– Emprestei o livro ao Pedro, porque ele precisava dele.

– Emprestei o livro ao Pedro, embora ele tenha preferido brincar.

– Emprestei o livro ao Pedro, mas ele não estudou.

– Emprestei o livro ao Pedro e o Pedro reprovou.

As orações com advérbio no início de frase são seguidas de vírgula.

– Se o Pedro não tivesse o livro, eu teria emprestado o livro ao João.

– Quando o João me pediu o livro, eu já o tinha emprestado ao Pedro.

As orações adverbiais intercaladas são delimitadas por vírgula.

– Os livros, quando são lidos atentamente, são extremamente valiosos.

– O professor de Português, para cair nas boas graças dos alunos, não marca deveres.

As orações com gerúndio são (ou participiais na sua maioria) isoladas por vírgula.

– Olhando pelo vidro, os alunos visualizavam toda a ação.

– O professor, desejando a admiração dos alunos, deixava-os fazer barulho.

– Terminado o teste, a calma regressou à sala de aula.

– Sentado à cadeira de madeira, veio um gato e mordeu-me os cordões.

Quando os constituintes modificadores do grupo verbal ou da frase ocorrem em posição inicial de frase, são seguidos de vírgula.

Quando os constituintes modificadores do grupo verbal ou da frase estão intercalados, são delimitados por vírgula.

– No verão passado, joguei vólei na praia.

– Infelizmente, começou a chover.

– Dona Irene, durante todo o jogo, gritou imenso.

– O jogo, é o que eu acho, devia ter sido interrompido.


Leia também: Língua Portuguesa: o ponto de interrogação «?»


Quando é proibido o uso das vírgulas

1 – O sujeito não pode ser separado do verbo por uma vírgula.

2 – A vírgula nunca deve ser usada entre os principais elementos de uma oração.

3 – Não se pode colocar uma vírgula no seguimento de uma conjunção.

01

O sujeito não pode ser separado do verbo por uma vírgula

Numa oração, existem elementos que implicam uma ligação direta entre si, como o sujeito que tem uma ligação com o verbo. Entre ambos os elementos não pode ser colocada uma vírgula.

– Frase exemplo: A Flor curvou-se com a luz que o sol irradiou.

– Má aplicação da vírgula: A Flor curvou-se com a luz que o sol, irradiou. X

– Frase: A Flor não se curvou com a luz que o sol irradiou.

– Má aplicação da vírgula: A Flor, não se curvou-se com a luz que o sol irradiou. X

02

A vírgula nunca deve ser usada entre os principais elementos de uma oração. Entre estes estão: sujeito, predicado, complemento direto, complemento indireto, predicativo do sujeito e predicativo do complemento direto

– Frase exemplo: Atirei a bola ao Rex.

– Má aplicação da vírgula: Atirei, a bola ao Rex.

– Má aplicação da vírgula: Atirei a bola, ao Rex.

03

Não se pode colocar uma vírgula no seguimento de uma conjunção

– Frase exemplo: Ele disse que atirei a bola ao Rex.

– Má aplicação da vírgula: Ele disse que, atirei a bola ao Rex.

Uso opcional da vírgula

As orações adverbiais podem ou não ser precedidas por vírgula em posição final.

– Frase exemplo: Os jogadores apareceram no campo quando ouviram o hino da Liga dos Campeões.

– Aplicação opcional da vírgula: Os jogadores apareceram no campo, quando ouviram o hino da Liga dos Campeões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.