Início Viagem Loriga, a Suíça Portuguesa na Serra da Estrela

Loriga, a Suíça Portuguesa na Serra da Estrela

Loriga é uma vila portuguesa que fica situada no distrito da Guarda. As suas paisagens e localização geográfica justificam a sua designação de Suíça Portuguesa.

Loriga
Loriga, a Suíça Portuguesa na Serra da Estrela

O património natural de Loriga é maravilhoso e tem locais de extrema beleza, em qualquer altura do ano. O Vale Glaciar, o vale das ribeiras e a praia fluvial são locais que apaixonam aqueles que amam a natureza. A Vila de Loriga fica situada na Serra da Estrela, a cerca de 770 metros de altitude, e é uma freguesia situada no concelho de Seia, no distrito da Guarda. As suas paisagens e localização geográfica justificam a sua designação de “Suíça Portuguesa”. À sua volta erguem-se várias montanhas, como a Penha dos Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato (1771m). Também não faltam cursos de água, como a Ribeira de Loriga e a Ribeira de S. Bento.

Os socalcos e a rede de irrigação são outra das atrações de Loriga. Tal, trata-se de uma obra construída ao longo do tempo e que testemunha a transformação de um vale rochoso num vale fértil. Este é um património histórico e paisagístico da vila. Estas são apenas algumas das atrações naturais que pode encontrar neste destino português, absolutamente fantástico.


Leia também: Visitar Dornes: o que fazer, onde comer e dormir


Loriga
Loriga, a Suíça Portuguesa na Serra da Estrela

Loriga, a Suíça Portuguesa

O nome desta vila relaciona-se com a sua localização estratégica intemporal nos montes Hermínios (atual Serra da Estrela). Foi a resistência lusitana, que levou os romanos a chamarem-lhe Lorica, nome de uma couraça guerreira romana. A sua evolução derivou para Loriga, termo que começou a ser usado pelos Visigodos.

História

Desde o século XII que Loriga teve a categoria de sede de concelho desde o século XII. Ela contou com vários forais:

– 1136 (João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no reinado de D. Afonso Henriques),

– 1249 (D. Afonso III),

– 1474 (D. Afonso V)

– 1514 (D. Manuel I).

Durante a guerra civil, apoiou os Miguelistas. Em 1855, devido ao plano de ordenação territorial, deixou de ser sede de concelho.

O sismo de 1755 atingiu esta vila, arruinando a residência paroquial e afetando o edifício da Câmara Municipal, datado do século XIII. Nessa altura, Loriga não recebeu qualquer apoio para fazer face aos estragos.

Loriga
Loriga, a Suíça Portuguesa na Serra da Estrela

O que visitar

Os Bicarões

Os bicarões ficam na Penha dos Abutres e não são mais do que deslumbrantes quedas de água. A beleza paisagística é incrível e, especialmente no verão, este é um local bastante aprazível e encantador.

Casa dos Velhos

Esta é uma habitação tipicamente serrana, situada na Calçada Romana (Rua de S.Sebastião). Toda ela é construída em pedra e xisto. Reza a lenda que o nome advém de dois velhos mendigos a quem foi oferecida esta casa como abrigo.

Ribeiras

Os vales e cursos de água são duas das principais atrações desta vila. As duas ribeiras de Loriga correm do nascente para o poente, unindo-se ao fundo da vila numa só, incorporando o rio Alva. Mais uma vez, no verão, estas ribeiras tornam-se mais convidativas sendo, sem dúvida, um dos principais ex-líbris desta localidade.

Balcões

Os balcões de pedra caraterizam a arquitectura rural desta povoação. Eles dão acesso a muitas das habitações e são um elemento típico local. Normalmente construídos em granito, estes elementos serviam muitas vezes para que as pessoas se sentassem e conversassem, recordando tempos de convívio e de partilha.

Loriga
Loriga, a Suíça Portuguesa na Serra da Estrela

O Prédio da “Escola Velha”

Trata-se de um imóvel centenário, mandado construir por gente abastada de Loriga. Ele funcionou como escola primária nas décadas de 30, 40 e 50 do século XX. Edifício com muitas memórias, mantém uma simbologia própria.

Becos e Pátios

Passear pelas ruelas e contactar com as suas gentes é a melhor forma de ficar a conhecer, realmente, Loriga. As marcas do tempo, da história e da tradição estão em cada beco e em cada pátio, por isso há que percorrer cada um deles.

Praia Fluvial

A funcionar desde 1998, esta praia oferece águas puras e límpidas que, juntamente com a magnífica paisagem, fazem desta praia um excelente local de descanso e de lazer. Sobretudo no verão, são muitos os visitantes que vão até lá dar um mergulho e usufruir da incrível Natureza envolvente.

Vídeo de: Luis Carneiro

Onde dormir?

Empreendimento Turístico “Vicente” Quartos Luxuosos e panorâmicos
Café, Restaurante, Snack Bar, Mini-Mercado, serviço de táxi
Estrada Nacional Nr.231 Vista Alegre 6270-080 Loriga
Telef. 238/953127
http://www.ovicente.com/site/index.html

Casa do Meio da Vila (Turismo Rural)
Travessa do Figueiredo Nr.6 6270-073 Loriga
Telef.238/953401 – Telem.962455432 – 967721001
http://www.casadomeiodavila.com/

Pensão Cristóvão Dormidas/Almoços/Jantares
Rua Sacadura Cabral, Nr.48 6270-108 Loriga
Telef. 238/953312

Carros de Aluguer
Telef. 238/954077-953669
Serviço Permanente
Tlms. 963358465 – 964526751

Casa “Alfredo Moenda” Dormidas
Av. Augusto Luis Mendes (Carreira) 6270-075 Loriga
Telef. 238/953194


Leia também: Ericeira, amor à primeira vista


Loriga
Loriga, a Suíça Portuguesa na Serra da Estrela

Onde comer?

Café-Restaurante “Império”Ermelinda Maria M. Alves Mendes
Av.Augusto Luís Mendes, Nr.17 6270-075 Loriga
Telef. 238/953175

Café Minilor
Av.Augusto Luís Mendes, Nr.14A 6270-075 Loriga
Telef. 238/953213

Churrasqueira “Serrana” Almoços e Jantares
Rua Gago Coutinho Nr.2 6270-108 Loriga –
Telef. 238/954295

“O Central” Snack BarAlice & Carlos Romualdo
Av.Augusto Luís Mendes 6270-075 Loriga
Telef. 238/951081

Café Montanha (Aida Jesus Matos Neves)
Rua Sacadura Cabral 6270-108 Loriga
Telef.238/953177

Café “Mira Serra” Luciano Mendes Pinheiro
Estrada Nacional Nr.231 6270-080 Loriga
Telef.238/953301

“Lorisnooker” Bar-Jogos
Av.Augusto Luis Mendes, Nr.14-D c/v 6270-075 Loriga
Telef. 238/953614

Vídeo de: Luis Carneiro

11 COMENTÁRIOS

  1. A “NCultura” continua de parabéns! Muito obrigado pela divulgação que têm feito da minha muito querida terra natal, e da minha obra sobre a história de Loriga, publicada aliás em muitos, diversificados e cada vez mais numerosos sites, incluíndo os artigos sobre Loriga, em português e em inglês, que eu criei na Wikipédia.
    A propósito da Wikipédia chamo a atenção para o facto de, por motivos estúpidos, mesquinhos e nada nobres, os artigos terem sido alvo de vandalismo, tendo sido deturpada e ocultada alguma informação, e introduzida alguma informação errada, parte dela hilariante incluíndo uma ilustração erradamente apresentada como brasão legal e oficial de Loriga. Aliás, o motivo principal do vandalismo e bloqueio dos artigos foi o facto de eu me opor à vergonhosa situação do formal uso e abuso desse “brasão” ilegal, defendendo portanto a imagem de Loriga e de quem nela nasceu. Cobardemente e hipocritamente passou a haver bloqueio para impedir a correção de conteúdo, no entanto mantiveram o fundamental do conteúdo que eu introduzi quando criei os artigos, apesar de alguns vândalos anedóticos, e quem eles promovem ilegitimamente, dizerem que os dados não são credíveis e ou que não fui eu que os pesquisou. Felizmente não faltam por aí sites onde pode ler-se a informação certa sobre a bela e histórica vila de Loriga, incluíndo a que foi deturpada e ou omitida pelos vândalos da Wikipédia e, doa a quem doer, nunca me cansarei de denunciar esta e outras situações que prejudicam a imagem da minha muito querida terra natal, assim como a imagem de todos quantos nasceram nesta bela e histórica vila.

    Um grande abraço!

  2. Obrigado por divulgarem a minha muito querida terra natal e extratos da minha pesquisa e da minha obra sobre a história da vila de Loriga. Bem hajam e um grande abraço!
    Este sou mesmo eu. – Nota aos autores de comentários insultuosos e caluniosos pseudoanónimos colocados por aí, usando nomes falsos, muitos para a já longa lista, e que muitas vezes usam abusivamente o meu nome:
    Eu não fui corrido de lado nenhum e os vândalos são os que, com motivos mesquinhos e nada nobres, insistem em colocar erros e mentiras de forma deliberada, e fazem tudo para impedir que outros os corrijam. Isso viu-se claramente na Wikipédia onde para o efeito bloquearam o artigo sobre Loriga que eu criei, contribuíndo para arrasar a imagem e a credibilidade daquela enciclopédia online, sendo cúmplices de factos, situações e pessoas que têm arrastado na lama a imagem de Loriga, tendo sido desmascarados e desmentidos inclusive por acontecimentos recentes. Artigo que os vândalos dizem não ter sido criado por mim, que a pesquisa não é minha e que tenho baixas habilitações…
    Acerca da pesquisa já desafiei os vândalos e quem estes promovem de forma ilegítima, e que há muito tempo têm essa conversa da treta, a provarem a origem dos dados históricos que estão no artigo na Wikipédia. Esse desafio já foi lançado há anos e até agora não aconteceu nada, e obviamente todos podem esperar sentados porque só quem fez a pesquisa é que pode dizer onde obteve os dados. Também não deixa de ser hilariante e contraditório que alguns dos vândalos e quem eles apoiam, coloquem em causa esses mesmos dados históricos ao mesmo tempo que afirmam terem sido pesquisados por outros e não por mim. Decidam-se de uma vez por todas, se os dados são credíveis e a pesquisa não é minha quem a fez revele as fontes dos dados históricos e coloque-as no artigo, ou então se os dados não são credíveis apaguem-nos. A propósito retirem e não coloquem nas fontes do artigo quem não tem nada a ver com o mesmo. Parem de fazer figuras tristes, não sejam invejosos, deixem de prejudicar a imagem de Loriga e dos loriguenses, e quanto a baixas habilitações, e não falo apenas no sentido literário, há muito que ficou patente quem as tem.

    Um grande abraço!

  3. Loriga é vila há mais de oitocentos anos, é uma povoação que existe há mais de dois mil e seiscentos anos. O seu nome significa couraça, é bonito, antigo, e único em Portugal, tem mais de dois mil anos, deriva do latim Lorica que tem o mesmo significado, e os loriguenses orgulham-se de tudo isso e por isso o brasão da vila tem uma couraça (Loriga) como peça principal.
    Loriga está situada no coração da belíssima Serra da Estrela, onde é uma das mais antigas e importantes localidades, e em Loriga está localizada a única estância de esqui existente em Portugal, e os loriguenses orgulham-se de tudo isso e por isso o brasão da vila tem uma estrela de ouro.
    Loriga é uma vila industrial desde o século XIX, evolução natural da atividade textil artesanal existente pelo menos desde o século XIV, e até ao surgimento da eletricidade as primeiras fábricas tinham as rodas hidráulicas como força motriz as quais eram movidas pelas águas das duas ribeiras. Os loriguenses orgulham-se de tudo isso e por isso o brasão da vila de Loriga tem duas rodas hidráulicas.
    Loriga é uma belissima vila rica de história e tem uma forte identidade histórica e cultural que a diferencia de todas as localidades de Portugal.

  4. Este texto sobre a história de Loriga é inspirado na obra “História concisa da vila de Loriga – Das origens á extinção do município” da autoria do Senhor António Conde, historiador e grande Loriguense, e existem extratos da sua obra sobre a história de Loriga publicados em muitos outros sites, incluíndo os artigos sobre Loriga em português e em inglês existentes na Wikipedia e que foram criados por ele. Esses textos publicados na Wikipédia foram publicado também no site Terras de Portugal, no site da Junta de Freguesia de Loriga, e em muitos outros sites e páginas na web, e até eu publiquei extratos da obra de António Conde no WordPress.
    Há décadas que este grande Loriguense divulga Loriga e a sua história, inclusive na internet, mas ele tem feito muito mais pela sua terra, como aliás já foi reconhecido inclusive no Jornal Garganta de Loriga da ANALOR.
    É espetacular a heráldica de Loriga que ele desenhou e que é considerada a ideal para esta vila por quem sabe do assunto e por quem coloca os interesses e a imagem de Loriga em primeiro lugar. Ele desenhou muitas e bonitas propostas de brasão todas com aprovação garantida pelas autoridades competentes, porque ele percebe do assunto e está metido no mesmo desde os anos 80 do século passado. Acho bonitos todos os brasões que ele desenhou mas para mim o melhor e mais bonito brasão para Loriga que ele desenhou é aquele que tem a couraça, a estrela e as rodas hidráulicas, todas as três peças em ouro, e é muito mais bonito e representativo de Loriga do que aquelas duas porcarias arranjadas pelo presidente da junta José Pinto em 2002 e em 2018, indignas de Loriga, alterações detestadas pela esmagadora maioria dos loriguenses e que portanto foram condenadas ao lixo. Aliás todos os brasões desenhados pelo Senhor Conde são mais representativos de Loriga do que esses dois “brasões” do José Pinto, e é triste constatar que haja um autarca que queira tirar a couraça, as rodas hidráulicas, e até a estrela do brasão de Loriga, apenas porque esse brasão foi desenhado por um grande Loriguense que odeia.
    Muito a propósito desta vergonha que dura há décadas, é triste constatar sem surpresa que o José Pinto quis retirar do site da Junta de Freguesia de Loriga o texto publicado na Wikipédia, no site Terras de Portugal e em muitos outros sites, apenas porque é da autoria de António Conde, ficando comprovado que esta gente coloca as motivações mesquinhas pessoais acima da imagem e dos interesses de Loriga e de quem nela nasceu. No entanto e para bem de Loriga este texto continua online no site da Junta de Freguesia e voltará a estar em pleno, e assim que o José Pinto deixar a autarquia irá regressar a normalidade, incluíndo o fim da vergonhosa questão da heráldica.
    Um grande abraço para todos os loriguenses que gostam genuinamente da sua terra.

  5. Para prevenir qualquer tipo de confusão fica aqui uma adenda ao meu comentário anterior:
    O artigo sobre a vila de Loriga criado pelo Senhor António Conde na Wikipédia foi entretanto vandalizado, e foi bloqueado pelos vândalos para impedirem a correção dos erros introduzidos, e impedirem também a reposição da informação que foi ocultada / censurada, incluíndo a reposição nas fontes do autor do artigo.
    Embora o artigo sobre Loriga na Wikipédia mantenha o essencial do conteúdo introduzido pelo Senhor Conde quando o criou, a censura de conteúdo e das fontes (nas quais foi ocultado o autor do artigo), assim como a introdução de conteúdo sem fundamento e até ridículo, prejudicaram gravemente a qualidade do artigo, prejudicaram a imagem da Wikipédia e, pior que tudo, prejudicaram a imagem de Loriga.
    O que se passou na Wikipédia tem uma relação direta com a polémica e vergonhosa questão da heráldica que eu já referi no comentário anterior, a Wikipédia foi manipulada de forma grave e até caricata por “loriguenses” responsáveis pela criação e manutenção da referida questão da heráldica que há décadas prejudica a imagem de Loriga e dos seus naturais. Saibam mais sobre esta vila no site sobre Loriga no Wikidot em: http://loriga.wikidot.com

  6. Mais uma adenda:
    Já muita gente estranhou não haver no site Terras de Portugal uma página dedicada ao Loriguense António Conde, cuja obra sobre a história de Loriga é citada naquele site, fica aqui a explicação: Existiu nesse site uma página dedicada a António Conde, nada mais natural tratando-se de um grande Loriguense. Porém rapidamente começaram a surgir comentários caluniosos e insultuosos colocados por pseudoloriguenses invejosos perfeitamenente identificados, que há muito têm essa prática, e que há décadas prejudicam a imagem de Loriga e de quem nela nasceu, inclusive com a já referida vergonhosa questão da heráldica que criaram e que teimam em manter. Sempre e ainda a vergonhosa questão da heráldica que dura há mais de trinta anos…
    O Webmaster fartou-se da má educação e do espetáculo degradante, e de ter que estar constantemente a apagar e a moderar comentários e foi obrigado a apagar a página, facto que foi motivo de júbilo para os autores dos vergonhosos comentários. A eliminação da página foi conveniente para os infratores que se estão marimbando para a imagem de Loriga e para a imagem dos seus conterrâneos, mas eles foram todos identificados apesar dos pseudónimos utilizados, tudo foi guardado e isso pode ser visto e lido, e uma “amostra” pode ver-se inclusive nos ficheiros pdf com a verdadeira História do Brasão de Loriga disponíveis em http://loriga.wikidot.com e noutros sites.
    Um grande abraço para todos os loriguenses que gostam genuinamente da sua terra.

  7. Para concluir e a propósito do artigo sobre loriga exitente na Wikipedia e criado por António Conde, faltou dizer o principal motivo que motivou o vandalismo do artigo e o “desaparecimento” deste grande Loriguense das fontes do artigo, e a relação existente com a vergonhosa questão da heráldica que há mais de três décadas arrasa a imagem de Loriga e a imagem dos loriguenses.
    Tal como já disse anteriormente, os responsáveis pela criação e manutenção da questão da heráldica manipularam a Wikipedia e com o vandalismo passou a ver-se no artigo uma ilustração ali apresentada como brasão legal e oficial de Loriga. Essa ilustração é ilegal porque, além de não ser representativa de Loriga, viola várias regras da heráldica portuguesa que felizmente ganharam força de lei para evitar abusos, no entanto os “loriguenses” responsáveis pela criação e manutenção da vergonhosa questão da heráldica, há décadas que andam inutilmente a tentar impor essa ilustração que usam teimosamente como se fosse o brasão legal e oficial de Loriga, uso comprovado por inúmeros documentos, e incrivelmente as autoridades nada fizeram o que encorajou esses “loriguenses” irresponsáveis.
    Como o Senhor Conde se opôe a esta vergonhosa questão da heráldica e a tudo o que prejudique a imagem de Loriga e a imagem dos loriguenses, desapareceram das fontes tudo o que apontasse para este Loriguense autor do artigo, nas fontes passou a ver-se o “loriguense” Adelino Pina emigrante na Alemanha que nada tem a ver com o artigo mas que é cumplice do vergonhoso caso da heráldica. Tratou-se portanto de uma típica e grave tentativa de roubo de créditos, e após o vandalismo e bloqueio do artigo, tanto o “loriguense” ladrão de créditos como os manipulados vândalos foram desafiados a colocar nas fontes as origens dos dados históricos existentes no artigo, esse desafio foi feito há mais de dez anos e como é óbvio nunca o fizeram nem podem fazer porque quem fez a pesquisa foi o historiador António Conde, autor do artigo. Aliás, o texto e os dados colocados por António Conde na Wikipedia aparecem num site assinado pelo referido “loriguense” ladrão de créditos emigrante na Alemanha, e sem surpresa não é referido o autor.
    Isto que se passou na Wikipedia faz parte da verdadeira e infelizmente óbvia vergonhosa História do Brasão de Loriga, que podem ver em ficheiros PDF no site http://loriga.wikidot.com e noutros sites. A propósito, o brasão de Loriga tem uma couraça (Loriga), tem uma estrela e tem duas rodas hidráulicas.
    Um grande abraço para todos os loriguenses que amam genuinamente a sua terra!

  8. Existente há mais de 2600 anos e vila desde o século XII, Loriga é também extraordináriamente bela. O seu brasão ostenta uma loriga (couraça), duas rodas hidráulicas e uma estrela. Mais sobre a vila de Loriga | More about the town of Loriga: http://lorigaportugal.wordpress.com , http://loriga.wikidot.com , http://loriga4.webnode.pt , http://lorigaportugal.webnode.com Alguma da “lógica” dos burros, pseudohistoriadores, tais como o Doutor de Albarda, e outros pseudoloriguenses que há décadas prejudicam a imagem de Loriga: A etimologia, a filologia e a história dizem que Loriga é nome de couraça e que deriva do latim Lorica, mas os burros de Loriga dizem que é uma vergonhosa mentira que não deve ser recordada no brasão. Segundo eles os fundadores de Loriga eram anedóticos atrasados mentais e por isso fundaram a povoação no Chão do Soito, um local onde jamais poderia florecer com sucesso qualquer povoação, e mais tarde um deles mais inteligente que os demais terá exclamado: – Estamos a ser burros, vamos mudar-nos para ali que é melhor! Mudaram-se para a colina entre ribeiras (onde de facto a povoação foi originalmente fundada) e assim acabou a “Loriga provisória” no Chão do Soito. Outras povoações próximas de Loriga e também antigas, receberam forais início da nacionalidade, Valezim e Sandomil, por exemplo, receberam forais no século XIII, mas no imponente vale glaciar de Loriga só havia calhaus, e apenas no século XVI (1514) habitava aqui gente em número suficiente para justificar a atribuição de um foral, que os burros pseudohistoriadores afirmam ser o único. O santo padroeiro de qualquer localidade é sempre o orago da igreja matriz e da paróquia, no caso de Loriga é Santa Maria Maior desde o século XIII, mas os burros acham que em Loriga as devoções, os padroeiros e as invocações são apenas uma questão de modas, e que nesta vila existe o hábito de desprezar, esquecer e trocar padroeiros, devoções e invocações. Numa localidade normal os naturais têm orgulho do nome e da história da sua terra, mas os burros desta vila têm vergonha da história e do nome da sua terra, acham vergonhoso que esta vila tenha nome de couraça e de haver uma Loriga no brasão da vila, também por isso em 2002 quiseram trocar a Loriga por uma cruz (tentando fazer crer que os católicos loriguenses também têm vergonha do nome da vila tal como eles), e em 2018 quiseram simplesmente eliminá-la do brasão. Os burros de Loriga não se limitam a terem vergonha da história e do nome desta vila, também têm vergonha por Loriga estar situada no coração da Serra da Estrela e por isso em 2018 também quiseram eliminar a estrela de ouro do brasão da vila. Maltratam quem defende a imagem de Loriga (inclusive com insultos e calúnias na internet). etc.
    Os dois brasões do Zeca Maria e do Doutor de Albarda (de 2002 e de 2018) são lixo, porque envergonham esta vila e são detestados pelos loriguenses. Perante a reação negativa dos loriguenses, e como são mentirosos, os pseudoloriguenses responsáveis por esta vergonha tentaram responsabilizar a Comissão de Heráldica pela porcaria que fizeram! Os pseudoloriguenses são os únicos responsáveis por arrasarem a imagem de Loriga e a imagem dos loriguenses com esta vergonha e com a inútil, criminosa e teimosa imposição da ilegal ilustração impunemente usada há décadas como se fosse a heráldica oficial desta vila. Têm feito uma guerra suja, maltratando quem defende a imagem de Loriga e a imagem dos loriguenses e apresentou soluções, o resultado é a porcaria que está á vista! O que nasce torto tarde ou nunca se endireita, esta gente é extremamente incompetente e ignorante, e como não gosta da sua terra, e despreza a importância da heráldica, acha que qualquer merda serve para brasão de Loriga, portanto jamais fará parte das soluções porque sempre fez parte dos problemas. Alguma da “lógica” dos burros, pseudohistoriadores, tais como o Doutor de Albarda, e outros pseudoloriguenses que há décadas prejudicam a imagem de Loriga: A etimologia, a filologia e a história dizem que Loriga é nome de couraça e que deriva do latim Lorica, mas os burros de Loriga dizem que é uma vergonhosa mentira que não deve ser recordada no brasão. Numa localidade normal os naturais têm orgulho do nome e da história da sua terra, mas os burros desta vila têm vergonha da história e do nome da sua terra, acham vergonhoso que esta vila tenha nome de couraça e de haver uma Loriga no brasão da vila, também por isso em 2002 quiseram trocar a Loriga por uma cruz (tentando fazer crer que os católicos loriguenses também têm vergonha do nome da vila tal como eles), e em 2018 quiseram simplesmente eliminá-la do brasão. Os burros de Loriga não se limitam a terem vergonha da história e do nome desta vila, também têm vergonha por Loriga estar situada no coração da Serra da Estrela e por isso em 2018 também quiseram eliminar a estrela de ouro do brasão da vila. etc. Esta é a verdadeira História do Brasão de Loriga: http://loriguense.files.wordpress.com/2010/01/historia-do-brasao-de-loriga-pequeno-resumo-de-um-processo-que-arrasou-a-imagem-de-loriga-e-a-imagem-dos-loriguenses.pdf Mais sobre este vergonhoso caso que arrasa a imagem de Loriga e a imagem dos loriguenses: https://loriguense.files.wordpress.com/2010/01/historia-do-brasao-de-loriga-.pdf , https://loriguense.files.wordpress.com/2010/01/histc3b3ria-do-brasc3a3o-de-loriga-pequeno-resumo-da-verdadeira-histc3b3ria-do-brasc3a3o-de-loriga.pdf , https://tiagodacruz.blogs.sapo.pt/2343.html?page=30#comentarios , https://loriguense.files.wordpress.com/2010/01/histc3b3ria-do-brasc3a3o-de-loriga-augusto-moura-brito-doutor-de-albarda.pdf , http://loriguense.files.wordpress.com/2010/01/historia-do-brasao-de-loriga-pequeno-resumo-de-um-processo-que-arrasou-a-imagem-de-loriga-e-a-imagem-dos-loriguenses.pdf

  9. Alguma da “lógica” dos BURROS, pseudohistoriadores e outros pseudoloriguenses que há décadas prejudicam a imagem desta bela e histórica vila: A história, a etimologia e a filologia dizem que Loriga é nome de couraça e que a palavra deriva do latim Lorica que tem o mesmo significado, mas os BURROS de Loriga dizem que é mentira e que é uma vergonha que não deve ser recordada no brasão. Precisamente por Loriga derivar do latim Lorica é que os naturais desta bela e histórica vila podem ser tratados por loricenses, mas como os BURROS de Loriga têm vergonha do nome da sua terra e das suas origens dizem que o gentílico loricense é um insulto, equivalente a alguém chamá-los “filhos da puta” ou algo pior. Segundo eles os fundadores de Loriga eram anedóticoa atrasados mentais e por isso fundaram a povoação no Chão do Soito, um local onde jamais poderia florecer com sucesso qualquer povoação, e mais tarde um deles mais inteligente que os demais terá exclamado: – Estamos a ser burros, vamos mudar-nos para ali que é melhor! Mudaram-se para a colina entre ribeiras (onde de facto a povoação foi originalmente fundada) e assim acabou a “Loriga provisória” no Chão do Soito, mas graças aos BURROS não acabou a sua entrada no mundo das anedotas. Outras povoações próximas de Loriga e também antigas, receberam forais nos primeiros dois séculos da nacionalidade, Valezim e Sandomil, por exemplo, receberam forais no século XIII, mas os BURROS acham que no imponente vale glaciar de Loriga só havia calhaus, e apenas no século XVI (1514) habitava aqui gente em número suficiente para justificar a atribuição de um foral, que os BURROS pseudohistoriadores afirmam ser o único. O santo padroeiro de qualquer localidade é sempre o orago da igreja matriz e da paróquia, no caso de Loriga é Santa Maria Maior desde o século XIII, mas os BURROS acham que em Loriga as devoções, os padroeiros e as invocações são apenas uma questão de modas, e que nesta vila existe a tradição de desprezar, esquecer e trocar padroeiros, devoções e invocações. Numa localidade normal os naturais têm orgulho do nome e da história da sua terra, mas segundo os BURROS Loriga é diferente e os BURROS desta vila têm vergonha da história e do nome da sua terra, acham vergonhoso que esta vila tenha nome de couraça e de haver uma Loriga no brasão da vila, também por isso em 2002 quiseram trocar a Loriga por uma cruz, para condicionar o pároco local e para fazer crer que os católicos loriguenses também têm vergonha do nome da vila tal como eles, uma forma farisaica de instrumentalizar para fins políticos e pesoais a fé dos naturais desta bela e histórica vila, a extrema falta de caráter dos responsáveis por esta vergonha, e em 2018 também quiseram eliminar a Loriga do brasão. Para cúmulo os BURROS de Loriga não se limitam a terem vergonha da história e do nome desta vila, também têm vergonha por Loriga estar situada no coração da Serra da Estrela onde é uma estrela, uma das localidades mais antigas e mais importantes da serra, e onde está situada a única estância de esqui existente em Portugal, e por isso em 2018 também quiseram eliminar a estrela de ouro do brasão da vila. Aliás, há décadas que tentam inutilmente, teimosamente e criminosamente impor uma ilegal aberração heráldica, que incrivelmente e impunemente usam formalmente como se fosse o brasão legal e oficial de Loriga, e há décadas que maltratam quem se opôe a essa vergonha, inclusive com insultos e calúnias na internet. Perante a reação negativa dos loriguenses que reprovaram os brasões de 2002 e de 2018 do José Pinto, e como são mentirosos, os responsáveis por esta vergonha tentaram responsabilizar a Comissão de Heráldica da AAP pela porcaria que fizeram, e disseram e escreveram que os loriguenses estão obrigados e condenados a habituarem-se a um brasão que detestam, que os envergonha e que não honra Loriga. Estes pseudoloriguenses são extremamente ignorantes e incompetentes, colocam as suas motivações mesquinhas pessoais acima dos interesses e da imagem de Loriga, e são os únicos responsáveis por toda esta vergonha e pela porcaria de resultado que está á vista. Como não gostam da sua terra e sempre desprezaram a importância da heráldica acham que qualquer porcaria serve para brasão de Loriga desde que seja da autoria do José Pinto ou de um dos seus amigos, capangas e ou lacaios, e acham que os loriguenses têm que o aceitar ainda que não gostem. Ao contrário do que eles dizem e escrevem, inclusive com a publicação de uma mentirosa “história do brasão de Loriga” a alteração não só pode ser feita como será feita pela Junta de Freguesia de Loriga assim que o José Pinto saír da autarquia. É triste constatar que será a segunda vez que a Junta de Freguesia de Loriga corrigirá a porcaria feita pelo José Pinto nesta matéria. etc , etc. Ver aqui esta vergonha na verdadeira História do Brasão de Loriga:
    http://loriguense.files.wordpress.com/2010/01/historia-do-brasao-de-loriga-pequeno-resumo-do-caso-que-arrasou-a-imagem-de-loriga-e-a-imagem-dos-loriguenses.pdf , http://tiagodacruz.blogs.sapo.pt/2343.html?page=30#comentarios
    http://www.facebook.com/cruz.serra.da.estrela

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.