Início Tradições A Doçaria conventual e os papos de anjo a que ninguém resiste

A Doçaria conventual e os papos de anjo a que ninguém resiste

Gemas e açúcar é a base destes deliciosos e angelicais papos doces. Conheça as receitas dos papos de anjo a que ninguém resiste.

papos de anjo
A Doçaria conventual e os papos de anjo a que ninguém resiste

A Doçaria conventual e os papos de anjo a que ninguém resiste

Gemas e açúcar é a base destes deliciosos e angelicais papos doces. Conheça as receitas dos papos de anjo a que ninguém resiste.

Os papos de anjo são uma sobremesa tradicional portuguesa, originária da doçaria conventual. A sua base são gemas de ovo batidas, cozidas e, depois, fervidas em calda de açúcar. Apesar de algumas variantes, esta é uma das receitas típicas mais apreciadas pelos fãs de doçaria conventual.

A Doçaria conventual e os papos de anjo a que ninguém resiste

Igualmente muito popular entre os turistas brasileiros que nos visitam e se deliciam com esta iguaria, os papos de anjo têm uma já longa história, continuando na moda graças ao seu sabor único e incontestável doçura.

A Doçaria conventual e os papos de anjo a que ninguém resiste

Crê-se que os papos de anjo tenham sido criados nos conventos, por freiras, nos séculos XIV ou XV. O uso das claras de ovo para engomar as vestes e hábitos gerava um excedente de gemas aproveitado para uma grande variedade de receitas doces, como os fios de ovos, por exemplo.

A Doçaria conventual e os papos de anjo a que ninguém resiste

No que respeita aos papos de anjo, na maioria das receitas, as gemas são batidas de modo a aumentarem para o dobro do seu volume original.

Em algumas receitas, são usadas claras de ovo (uma a duas para cada dez gemas), as quais são  batidas em castelo separadamente e, depois, delicadamente misturadas com as gemas.

Este preparado deve ser distribuído por formas untadas (½ colher de sopa em cada) e levado a cozer, até ficar bem firme, sem tostar. Finalmente, há que cozer ligeiramente numa calda que pode ser aromatizada com rum, baunilha ou casca de laranja.

A Doçaria conventual

As versões mais populares desta receita são as de Viseu, Mirandela, Amarante e da Ilha Terceira (Açores). As de Mirandela, por exemplo, caracterizam-se pelo uso de doce de fruta na sua preparação e pelo facto de não utilizarem calda, mas antes uma cobertura de açúcar em pó.

Receita de Papos de Anjo da Ilha Terceira

A Doçaria conventual

Ingredientes

Para os papos de anjo

– 9 gemas + 1 clara

Para a calda

– 500 g de açúcar

– 300 ml de água

– 1 pau de canela

papos de anjo
A Doçaria conventual

Modo de Preparação

– Bata bem as gemas (20 minutos) e junte-lhes a clara previamente batida em castelo.

– Verta o preparado em formas pequenas redondas, bem untadas com manteiga.

– Leve a cozer em banho-maria, em forno médio.

– Prepare uma calda com o açúcar, a água e o pau de canela e deixe ferver até atingir ponto de pérola baixo. Retire do lume.

– Quando estiverem cozidos, desenforme os papos de anjo e mergulhe-os, ainda quentes, na calda, virando-os delicadamente.

– Regue os papos de anjo com a calda e coloque numa tigela.

– Sirva frios.

Receita de Papos de Anjo de Mirandela

papos de anjo
A Doçaria conventual

Ingredientes

– 500 g de açúcar + q.b. p/ polvilhar

– 8 ovos inteiros + 7 gemas

– 3 ou 4 colheres de sopa de doce de fruta (à exceção do de maçã, marmelada ou geleia)

– 1 colher de chá de canela

papos de anjo
A Doçaria conventual

Modo de Preparação

– Leve o açúcar ao lume com um copo de água e deixe ferver até obter ponto de espadana.

– Acrescente o doce de fruta e leve novamente a ferver, até obter o mesmo ponto.

– Retire do lume, deixe arrefecer e junte os ovos (previamente batidos com as gemas) e a canela.

– Distribua o preparado por formas bem untadas com manteiga e leve a cozer no forno (190ºC a 200ºC).

– Desenforme e sirva polvilhado com açúcar.

Se gostou deste artigo também poderá gostar de:


Ovos moles de Aveiro, um doce com história (receita original)

Salame de chocolate: o doce italiano que os portugueses adoram

Receita. Bolas de Berlim à portuguesa, história e receita
_

Teresa Santos
Com formação em Humanidades, tem na investigação e na escrita a sua principal atividade. (exclusivamente responsável pelo conteúdo textual).

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.