Início Opinião Serão os portugueses grosseiros?

Serão os portugueses grosseiros?

Serão os portugueses grosseiros? Em Portugal eu aprendi que ser reservado pode ser um grande ato de sabedoria, ao contrário de falar sobre todos os assuntos.

_

Mas atenção: ser simpático ou ser amável não tem nada a ver com ser deixar de ser resguardado. E essa é uma qualidade preciosa.

Serão os portugueses grosseiros? - Ilustração de Mário Costa
Serão os portugueses grosseiros? – Ilustração de Mário Costa

Lembro-me que logo que vim morar em Portugal fui encontrar uma moça portuguesa, amiga de uma amiga de São Paulo. Ela era muito querida e simpática e eu estava mesmo precisando de novos amigos por aqui.

Fomos almoçar num dia, jantar num outro, tomar um brunch num terceiro. No quarto encontro eu me dei conta de que ela nunca havia me dito absolutamente nada sobre sua vida pessoal, desde o princípio até então. Eu só sabia onde ela trabalhava e que já havia sido casada uma vez. Nada mais.

Serão os portugueses grosseiros? - Ilustração de Mário Costa
Serão os portugueses grosseiros? – Ilustração de Mário Costa

Conversávamos sobre viagens, música, literatura, política, cinema, moda… Mas nada sobre assuntos pessoais. Foi apenas neste quarto encontro – depois de julgar-me digna de alguma confiança – que ela começou, lentamente, a dar pequenas aberturas para falarmos sobre as nossas vidas, em doses bastante comedidas.

Serão os portugueses grosseiros? - Ilustração de Mário Costa
Serão os portugueses grosseiros? – Ilustração de Mário Costa

Pouco tempo depois aconteceu um encontro semelhante. Fui conhecer uma amiga de uma amiga de São Paulo, mas desta vez era uma brasileira.

Na noite em que nos conhecemos, em cerca de quinze minutos (talvez doze minutos) já havíamos espalhado as nossas vidas pessoais por cima da mesa do restaurante, nos seus mínimos detalhes (incluindo narrativas sobre os atritos com os irmãos, o desemprego do tio, nossos problemas de digestão, amores do passado e crises de carreira).

Serão os portugueses grosseiros? - Ilustração de Mário Costa
Serão os portugueses grosseiros? – Ilustração de Mário Costa

Fiquei muito impressionada com aqueles dois extremos de exposição das próprias vidas. Ambas eram mulheres fantásticas, simpáticas e agradáveis, mas a portuguesa colocou limites claros de até onde queria que a conversa fosse (ainda que de forma inconsciente) e a brasileira (assim como eu) não tinha nenhuma intenção de colocar filtro à nossa conversa.

Serão os portugueses grosseiros? - Ilustração de Mário Costa
Serão os portugueses grosseiros? – Ilustração de Mário Costa

Em Portugal eu aprendi que ser reservado pode ser um grande ato de sabedoria, ao invés de falar sobre todos os assuntos com qualquer pessoa, em qualquer circunstância.

Não estou dizendo que as pessoas devam ser contidas ou que devam esconder seus sentimentos (como sei que os portugueses frequentemente fazem, e isso sim é má ideia), mas que devem selecionar bem o que dizer a quem e o que dizer em cada oportunidade.

Serão os portugueses grosseiros? - Ilustração de Mário Costa
Serão os portugueses grosseiros? – Ilustração de Mário Costa

Os portugueses, de um modo geral não são grosseiros. Talvez o mundo devesse aprender com Portugal a importância de aproximar-se lentamente, de manter uma certa timidez que serve como zona de segurança até obter a certeza de que aquela é uma relação na qual pode haver uma certa cumplicidade.

E talvez Portugal pudesse aprender com o Brasil a distribuir um pouco mais de sorrisos gratuitos e talvez um ou outro abraço precoce. Seria um bom equilíbrio. Temos muito a aprender juntos.

Autora: Ruth Manus é advogada e professora universitária e assina um blogue no Estado de São Paulo, Retratos e relatos do cotidiano
_

6 COMENTÁRIOS

  1. No princípio, estranhei esse jeito ríspido do português, mas agora já me acostumei. Acho que é mais comum nas cidades de grande fluxo turísticos do que no interior do país.

  2. Gostei dos seus relatos e do modo como analisou o comportamento do povo portugues, comparando com outras culturas, inclusive e sobretudo com o povo brasileiro.
    Denota um poder de análise, e como se deve, feita por alguém que conhece o país por nele já morar há algum tempo. Tenho ouvido e lido comentários totalmente desajustados proferidos por cidadaos brasileiros, que nunca pisaram solo portugues e outros que mesmo morando cá, nao se integraram na nossa sociedade pelo facto de só conviverem entre brasileiros.
    Gosto de opinioes isentas de nacionalismos e preconceitos, pelo que lhe dou os meus parabéns.
    PS: O meu texto tem falhas de ponctuaçao devidas a problemas de teclado, pelo que peço desculpa.

  3. O português fez história e faz história,havendo passado por períodos nadafaceis,de subjugação,de assaltos internacionais, viveu dolorosa transição de valores e costumes, convivendo com povos diversos, com reinados de diferentes modulações, com poderes de além mar e da própria terra nada agradáveis, o povo português tem o direito de ser o que é mesmo que tal pareça inóspito ou arrogante.Ser português é uma.dadiva ! O orgulho de ser português e de agir como age tem seculares razões!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.