Início Autores Fernando Pessoa e 6 maravilhosos poemas de Alberto Caeiro

Fernando Pessoa e 6 maravilhosos poemas de Alberto Caeiro

Extremamente ligado à natureza, Alberto Caeiro é um dos heterónimos de Fernando Pessoa que mais se destaca. Conheça seis dos seus maravilhosos poemas.

Alberto Caeiro
Fernando Pessoa e 6 maravilhosos poemas de Alberto Caeiro

Alberto Caeiro é um dos heterónimos de Fernando Pessoa que mais se destaca. É o mestre entre os heterónimos. O poeta foi vários poetas ao mesmo tempo, além de Alberto Caeiro, foi também Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Bernardo Soares. Alberto Caeiro é extremamente ligado à Natureza e são os seus sentidos que lhe revelam a realidade. Isso mesmo é facilmente comprovado em diferentes poemas, mas é particularmente exposto no seguinte excerto do Guardador de Rabanhos:

“Eu não tenho filosofia: tenho sentidos… / Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é. / Mas porque a amo, e amo-a por isso, / Porque quem ama nunca sabe o que ama / Nem por que ama, nem o que é amar…”.

Os poemas de Caeiro são livres, “simples” e colocados numa linguagem familiar. A obra deixada é de relevo, pois em O Guardador de Rebanhos há 49 poemas, enquanto que em O Pastor Amoroso há 6 poemas. Ainda existem os Poemas Inconjuntos, que são 49. O que perfaz um total de 104 poemas.

Fernando Pessoa e 6 maravilhosos poemas de Alberto Caeiro

Alberto Caeiro
Fernando Pessoa e 6 maravilhosos poemas de Alberto Caeiro

O meu olhar é nítido como um girassol.

O meu olhar é nítido como um girassol.

Tenho o costume de andar pelas estradas

Olhando para a direita e para a esquerda,

E de vez em quando olhando para trás…

E o que vejo a cada momento

É aquilo que nunca antes eu tinha visto,

E eu sei dar por isso muito bem…

Sei ter o pasmo essencial

Que tem uma criança se, ao nascer,

Reparasse que nascera deveras…

Sinto-me nascido a cada momento

Para a eterna novidade do Mundo…

 

Creio no Mundo como num malmequer,

Porque o vejo. Mas não penso nele

Porque pensar é não compreender…

O Mundo não se fez para pensarmos nele

(Pensar é estar doente dos olhos)

Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo…

 

Eu não tenho filosofia: tenho sentidos…

Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,

Mas porque a amo, e amo-a por isso,

Porque quem ama nunca sabe o que ama

Nem sabe porque ama, nem o que é amar…

 

Amar é a eterna inocência,

E a única inocência é não pensar…

Alberto Caeiro (1889-1915)


Leia também: Conheça o astrólogo Fernando Pessoa


Alberto Caeiro
Fernando Pessoa e 6 maravilhosos poemas de Alberto Caeiro

Se eu morrer novo,

Se eu morrer novo,

Sem poder publicar livro nenhum,

Sem ver a cara que têm os meus versos em letra impressa

Peço que, se se quiserem ralar por minha causa,

Que não se ralem.

Se assim aconteceu, assim está certo.

 

Mesmo que os meus versos nunca sejam impressos,

Eles lá terão a sua beleza, se forem belos.

Mas eles não podem ser belos e ficar por imprimir,

Porque as raízes podem estar debaixo da terra

Mas as flores florescem ao ar livre e à vista.

Tem que ser assim por força. Nada o pode impedir.

 

Se eu morrer muito novo, oiçam isto:

Nunca fui senão uma criança que brincava.

Fui gentio como o sol e a água,

De uma religião universal que só os homens não têm.

Fui feliz porque não pedi coisa nenhuma,

Nem procurei achar nada,

Nem achei que houvesse mais explicação

Que a palavra explicação não ter sentido nenhum.

 

Não desejei senão estar ao sol ou à chuva —

Ao sol quando havia sol

E à chuva quando estava chovendo

(E nunca a outra coisa),

Sentir calor e frio e vento,

E não ir mais longe.

 

Uma vez amei, julguei que me amariam,

Mas não fui amado.

Não fui amado pela única grande razão —

Porque não tinha que ser.

 

Consolei-me voltando ao sol e à chuva,

E sentando-me outra vez à porta de casa.

Os campos, afinal, não são tão verdes para os que são amados

Como para os que o não são.

Sentir é estar distraído.

Alberto Caeiro (1889-1915)

Alberto Caeiro
Fernando Pessoa e 6 maravilhosos poemas de Alberto Caeiro

Quando vier a Primavera,

Quando vier a Primavera,

Se eu já estiver morto,

As flores florirão da mesma maneira

E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.

A realidade não precisa de mim.

 

Sinto uma alegria enorme

Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma.

 

Se soubesse que amanhã morria

E a Primavera era depois de amanhã,

Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.

Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?

Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;

E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.

Por isso, se morrer agora, morro contente,

Porque tudo é real e tudo está certo.

 

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.

Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.

Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.

O que for, quando for, é que será o que é.

Alberto Caeiro (1889-1915)

Alberto Caeiro
Fernando Pessoa e 6 maravilhosos poemas de Alberto Caeiro

Sim, talvez tenham razão.

Sim, talvez tenham razão.

Talvez em cada coisa uma coisa oculta more,

Mas essa coisa oculta é a mesma

Que a coisa sem ser oculta.

 

Na planta, na árvore, na flor

(Em tudo que vive sem fala

E é uma consciência e não o com que se faz uma consciência),

No bosque que não é árvores mas bosque,

Total das árvores sem soma,

Mora uma ninfa, a vida exterior por dentro

Que lhes dá a vida;

Que floresce com o florescer deles

E é verde no seu verdor.

 

No animal e no homem entra.

Vive por fora por dentro

É um já dentro por fora,

Dizem os filósofos que isto é a alma

Mas não é a alma: é o próprio animal ou homem

Da maneira como existe.

 

E penso que talvez haja entes

Em que as duas coisas coincidam

E tenham o mesmo tamanho.

 

E que estes entes serão os deuses,

Que existem porque assim é que completamente se existe,

Que não morrem porque são iguais a si mesmos,

Que podem mentir porque não têm divisão [?]

Entre quem são e quem são,

E talvez não nos amem, nem nos queiram, nem nos apareçam

Porque o que é perfeito não precisa de nada.

Alberto Caeiro (1889-1915)


Leia também: 10 das melhores frases de Fernando Pessoa


Alberto Caeiro
Fernando Pessoa e 6 maravilhosos poemas de Alberto Caeiro

Não tenho pressa: não a têm o sol e a lua.

Não tenho pressa: não a têm o sol e a lua.

Ninguém anda mais depressa do que as pernas que tem.

Se onde quero estar é longe, não estou lá num momento.

 

Sim: existo dentro do meu corpo.

Não trago o sol nem a lua na algibeira.

Não quero conquistar mundos porque dormi mal,

Nem almoçar o mundo por causa do estômago.

Indiferente?

Não: filho da terra, que se der um salto, está em falso,

Um momento no ar que não é para nós,

E só contente quando os pés lhe batem outra vez na terra,

Traz! na realidade que não falta!

 

Não tenho pressa. Pressa de quê?

Não têm pressa o sol e a lua: estão certos.

Ter pressa é crer que a gente passe adiante das pernas,

Ou que, dando um pulo, salte por cima da sombra.

Não; não tenho pressa.

Se estendo o braço, chego exatamente aonde o meu braço chega –

Nem um centímetro mais longe.

Toco só aonde toco, não aonde penso.

Só me posso sentar aonde estou.

E isto faz rir como todas as verdades absolutamente verdadeiras,

Mas o que faz rir a valer é que nós pensamos sempre noutra coisa,

E somos vadios do nosso corpo.

E estamos sempre fora dele porque estamos aqui.

Alberto Caeiro (1889-1915)

Alberto Caeiro
Fernando Pessoa e 6 maravilhosos poemas de Alberto Caeiro

Vive, dizes, no presente;

Vive, dizes, no presente;

Vive só no presente.

 

Mas eu não quero o presente, quero a realidade;

Quero as coisas que existem, não o tempo que as mede.

 

O que é o presente?

É uma coisa relativa ao passado e ao futuro.

É uma coisa que existe em virtude de outras coisas existirem.

Eu quero só a realidade, as coisas sem presente.

 

Não quero incluir o tempo no meu esquema.

Não quero pensar nas coisas como presentes; quero pensar nelas como coisas.

Não quero separá-las de si-próprias, tratando-as por presentes.

 

Eu nem por reais as devia tratar.

Eu não as devia tratar por nada.

 

Eu devia vê-las, apenas vê-las;

Vê-las até não poder pensar nelas,

Vê-las sem tempo, nem espaço,

Ver podendo dispensar tudo menos o que se vê.

É esta a ciência de ver, que não é nenhuma.

Alberto Caeiro (1889-1915)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.