Início Cultura Dúvidas de Português: deve dizer-se Ter de ou Ter que?

Dúvidas de Português: deve dizer-se Ter de ou Ter que?

Serão estas expressões equivalentes? Ou há uma certa e outra errada? Fique a saber como se deve dizer: ter de ou ter que.

Dúvidas de Português: deve dizer-se ter de ou ter que?

Serão estas expressões equivalentes? Ou há uma certa e outra errada? Fique a saber como se deve dizer: ter de ou ter que.

Há expressões muito semelhantes e que até na própria pronúncia se aproximam. Por essa razão, é frequente começarem a ganhar afinidade, até se tornarem sinónimos, no entendimento de grande parte das pessoas.

Porém, há que abrir as gramáticas e conferir atentamente as diferenças que estas expressões apresentam e perceber exatamente quando se deve usar cada uma delas. Prepare-se, então, para ficar a saber quando usar “ter de” e “ter que”.

Dúvidas de Português: deve dizer-se Ter de ou Ter que?

Qual das formas devo usar em cada um dos contextos? O contexto, o enquadramento gramatical destas expressões e a intenção com que a frase é dita determinam o uso da expressão “ter de” ou “ter que”. Com a explicação que se segue, certamente ficará esclarecido. Portanto:

ter de ou ter que
Dúvidas de Português: deve dizer-se ter de ou ter que?

“Ter de” é uma locução que exprime o desejo, a necessidade, a obrigação ou o dever em relação a algo. Por exemplo: «Ele tem de arrumar o quarto».

Neste caso, o verbo «ter» assume o papel de verbo auxiliar da conjugação perifrástica (auxiliar ter + preposição de + verbo no infinitivo). Esta locução é um sinónimo de outras expressões como «ter necessidade de», «precisar de», «ser obrigado a», «dever».


Leia também: Dúvidas de Português: procrastinar ou procastinar?


ter de ou ter que
Dúvidas de Português: deve dizer-se ter de ou ter que?

“Ter que” usa o verbo «ter» já não como auxiliar, mas sim com a sua significação de «possuir», «ser detentor de», «estar na posse de», «desfrutar», «usufruir», «poder dispor de». Por exemplo: «Tenho muito que fazer.» Isto é, «tenho muito trabalho que fazer».

Resumindo, “ter de” e “ter que” são locuções que expressam significados diferentes. A primeira locução expressa uma ideia de obrigação, necessidade e dever, enquanto a segunda informa acerca daquilo que o emissor possui ou tem.

Atente nas seguintes frases: «Ele não vai sair, porque tem de estudar.» e «Ele não vai sair, porque tem que estudar.» Enquanto na primeira frase, queremos dizer que ele tem a obrigação, a necessidade ou o dever de estudar; na segunda frase, o que pretendemos dizer é que ele tem matérias ou disciplinas para estudar.

Agora que compreende plenamente a diferença entre os momentos em que deve usar ter de ou ter que, temos a certeza de que irá cometer menos erros. Recomendamos que tenha sempre mais atenção ao uso destas duas expressões tão parecidas na expressão escrita.

Na oralidade, a verdade é que a substituição de uma expressão por outra acaba por ser praticamente impercetível. Já o mesmo não se pode dizer da comunicação escrita.

Nota explicativa adicional

A língua portuguesa contempla algumas conjugações perifrásticas, tais como:

– ter de ou ter que;

– haver de;

– ir + gerúndio.


Leia também: Dúvidas de Português: 23 palavras que todos dizem, mas poucos sabem escrever


Neste artigo, focou-se a diferença entre “ter de” ou “ter que”, tendo por base as explicações de algumas fontes dedicadas ao ensino e esclarecimento de dúvidas da língua portuguesa, uma das quais da responsabilidade do Instituto Universitário de Lisboa.

Apesar de algumas gramáticas considerarem ser indiferente o uso de “ter de” ou “ter que”, há fontes que distinguem ambas as expressões e foi isso que pretendemos expor.

É importante ter em conta que a locução “ter que” pode ter uma função pronominal, mas há que destrinçar alguns aspetos, nomeadamente o sentido e intenção da expressão.

Na frase – “Eu tenho que comer, se não desmaio.” – a palavra “que” não possui função de pronome, visto que não substitui qualquer nome. Já na frase – “Não preciso que faças almoço, pois eu tenho que comer.” – a palavra “que” já tem uma função pronominal, visto que o que se pretende dizer é que “eu tenho coisas para comer”.

Todavia, o aspeto semântico que analisámos neste artigo prende-se com o primeiro exemplo, porque é esse que pode suscitar dúvidas, quando confrontado com a outra expressão aqui visada (“ter de”).

5 COMENTÁRIOS

  1. Bom dia. De um momento para o outro deixei de ouvir dizer (todos vós) e oiço apenas (todos vocês) Nos meios artísticos, os cantores/as abusam dessa expressão.
    Às vezes já tenho dúvidas se sou eu que estou a ficar desinformado. Mas uma coisa é verdade; os meus ouvidos, sentem-se arranhados com esta frase. Terei razão ou não? Obrigado. Feliz Natal.

  2. Como falante, não sinto que esta distinção interfira na intenção comunicativa, e o uso indiscriminado de ambas não dá lugar a mal-entendidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.