Início Histórias Azulejos portugueses são desejados por turistas e ladrões

Azulejos portugueses são desejados por turistas e ladrões

Os azulejos portugueses são uma marca do nosso património e são, muitas vezes, roubados e, depois, vendidos a turistas. Mas há quem esteja a lutar contra isso.

_

Brigada de obras de arte

Azulejos à venda na Feira da Ladra – © Patrícia de Melo Moreira/AFP

Os controles dos inspetores da polícia são frequentes. A pequena loja de Maria Santos, de 28 anos, repleta de cerâmicas dos séculos XVIII e XIX, não escapa à sua vigilância.

“Quando vêm, mostro-lhes todos os documentos. Eu vendo, não roubo”, assegura. Embora alguns azulejos provenham da demolição de fachadas, “com frequência na verdade não se sabe de onde saíram”, admite.

Azulejos em falta nas fachadas de Lisboa – © Patrícia de Melo Moreira/AFP

“A maioria dos azulejos são de origem lícita. Muitas vezes, são os próprios donos que se desfazem deles para renovar suas casas”, conta o inspetor Oscar Pinto, chefe da brigada de obras de arte.

“Mas não se deve deixar enganar. Quando um toxicómano nos vende 20 azulejos numa bolsa de plástico por um euro a unidade, há altas probabilidades de que sejam roubados”, aponta.

Turistas na Feira da Ladra – © Patrícia de Melo Moreira/AFP

Na véspera, o inspetor tinha percorrido, em vão, a Feira da Ladra para tentar recuperar mais de 1.000 azulejos cerâmicos do século XVIII roubados na noite anterior de um edifício abandonado na Baixa.

Segundo o inspetor, o ‘boom’ do turismo em Lisboa não é alheio à forte demanda de azulejos antigos e “pode contribuir para um aumento dos roubos”.

Ceramista Cristina Pina na sua loja – © Patrícia de Melo Moreira/AFP

A ceramista Cristina Pina, de 55 anos, encontrou a solução: a uma centena de metros do mercado de objetos usados, a sua loja artesanal oferece azulejos que são reproduções idênticas de cerâmicas fabricadas no século XVIII.

Ceramista Cristina Pina na sua loja – © Patrícia de Melo Moreira/AFP

“Prefiro que os turistas comprem belas reproduções de azulejos como lembranças de Lisboa, o que permite que os originais permaneçam no país”, explica.

Fonte: Brigitte Hagemann/AFP
_

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.