Início Cultura Teste de Língua Portuguesa 266

Teste de Língua Portuguesa 266

Conheça a origem da sabedoria deste provérbio da língua portuguesa. Em seguida, atreva-se no Teste de Língua Portuguesa 266.

Teste de Língua Portuguesa 266
Teste de Língua Portuguesa 266

Conheça a origem da sabedoria deste provérbio da língua portuguesa. Em seguida, atreva-se no Teste de Língua Portuguesa 266.

A língua portuguesa possui inúmeros provérbios que revelam preciosos ensinamentos. Por vezes, saber a sua origem é dar a justa dimensão a esse conhecimento.

A origem do provérbio “A pensar morreu um Burro” deve-se a um filósofo francês, do século XIV. Jean Buridan é o pensador que está na base de uma estória absolutamente deliciosa, com uma mensagem que acabou por imperar, sobrevivendo à sucessão dos séculos.

A origem do provérbio “A pensar morreu um burro”

Jean Buridan

O filósofo francês Jean Buridan (1295-1361) não é o criador do dilema do Asno de Buridan. A obra de Aristóteles De Caelo (“Sobre o Céu”) tem um dilema onde um cão está perante duas refeições igualmente deliciosas e igualmente tentadoras. Como poderia o cão, racionalmente, escolher uma preterindo dessa forma a outra refeição?

O contributo de Buridan está na sua tese. Buridan defendia a análise de toda a informação, pelo que a escolha devia ser adiada até que se conseguisse mais informação sobre o resultado final de cada opção.

Um dilema

Estamos perante um dilema quando somos confrontados com um problema para o qual existem duas soluções, sendo que ambas são igualmente válidas e têm consequências idênticas. Dramatizando o dilema, podemos encarar as consequências como sendo igualmente devastadoras.

A estória do burro que ficou para a história

A pensar morreu um burro é uma expressão que surge na sequência de um paradoxo que acabou por dar azo a diferentes versões. Agora, vamos expor uma dessas versões, concentrando-nos no essencial.

O burro e a indecisão

Um burro faminto e sedento vagueava pelo deserto. Os dias e as noites vão-se sucedendo uns aos outros e a fome e a sede aumentam. Subitamente, ele depara-se com uma situação insólita, mas extremamente agradável. À sua frente, apresentam-se duas vasilhas. Dentro de cada uma destas vasilhas havia um conteúdo específico: uma tinha água e a outra tinha aveia.

Ambas eram extremamente apetecíveis: uma permitia matar a sede, enquanto a outra possibilitava matar a fome. O paradoxo surge na indecisão. Qual deve ser a primeira escolha do burro?

A conclusão da estória

A história tem uma conclusão inesperada. O burro permanece indeciso e perante, a sua indecisão, acaba por não suprimir nenhuma das suas necessidades, por isso morre frente à sua salvação.

A moral da estória

A vida é um bem precioso que convém preservar. E esta estória revela que o tempo e a oportunidade são outros bens igualmente valiosos que devem ser respeitados e aproveitados. Pensar e avaliar diferentes possibilidades é importante, mas a indecisão pode revelar-se catastrófica… Até porque a água seca e a aveia acaba por ganhar bicho.

Vídeo de: Zig Zag

O domínio da língua portuguesa é essencial para ter sucesso em qualquer carreira. Ainda assim, muitos profissionais portugueses têm dúvidas na hora de se expressarem na própria língua — sobretudo por escrito.

Você é excepção a essa regra? Aqui poderá testar os seus conhecimentos, basta aceitar os nossos próximos desafios.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.