Início Tradições São portuguesas e deliciosas: 13 receitas tradicionais do Douro

São portuguesas e deliciosas: 13 receitas tradicionais do Douro

A cozinha tradicional duriense é uma arte. Numa região plena de tradição, conheça 13 deliciosas receitas Tradicionais do Douro.

_

Douro Superior

13 deliciosas receitas Tradicionais do Douro
São portuguesas e deliciosas: 13 receitas tradicionais do Douro

Caracterização Histórica e Geográfica

O território Douro Superior corresponde à zona de intervenção do GAL Douro Superior – Associação de Desenvolvimento e integra os concelhos de Torre de Moncorvo, Vila Nova de Foz Côa, Freixo de Espada à Cinta, Mogadouro. Este território insere‑se numa das zonas mais secas e quentes de Trás-os-Montes e Alto Douro, tendo no rio Douro o seu principal fator de identidade.

As principais atividades económicas da região são a agricultura e a pecuária que constituem as fontes de sustento, de sociabilização e o veículo dos saberes práticos tradicionais. O cultivo de vinha (integrada na Região Demarcada do Douro), do olival e do amendoal predominam na totalidade dos concelhos.

O setor secundário é constituído por pequenas indústrias ligadas à área de transformação agroalimentar (vinho, azeite, azeitona de conserva e enchidos).

O património natural, profundamente marcado pelo rio Douro e seus afluentes (Côa, Sabor e Tua) e o património cultural são recursos que potenciam o desenvolvimento deste território.

Destacam‑se o Alto Douro Vinhateiro e os Sítios de Arte Rupestre do Vale do Côa, no Parque Arqueológico do Vale do Côa, ambos classificados como Património Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Igualmente atrativo é o Parque Natural do Douro Internacional, com uma área de 85.150 hectares distribuídos pelos concelhos de Miranda do Douro, Mogadouro, Freixo de Espada à Cinta e Figueira de Castelo Rodrigo.

Património Gastronómico

O Douro Superior insere‑se na Região Demarcada do Douro, apresentando, pois, condições propícias à produção vinícola, situando‑se aí adegas e cooperativas que desenvolvem um trabalho de qualidade na produção e divulgação dos vinhos da região, tendo‑se realizado, em outubro de 2012, em Vila Nova de Foz Côa, o 1.º Festival do Vinho do Douro Superior.

Para além da vinha, a paisagem desta região é marcada pela presença das amendoeiras que, quando estão em flor, constituem um espetáculo de extraordinária beleza que pronuncia a primavera no Douro, constituindo uma atração para grande número de visitantes e turistas. A produção de amêndoa aqui é muito significativa, por exemplo, nos concelhos de Freixo de Espada à Cinta e Mogadouro, sendo os frutos de excelente qualidade e a Amêndoa do Douro – DOP apresenta‑se como um ex libris da região. Trabalhadas e adoçadas, as amêndoas tornam‑se o ingrediente principal de variadas guloseimas, particularmente no caso de um doce típico desta região: a Amêndoa Coberta de Moncorvo, produto artesanal de origens remotas, e já premiado no século XIX em Paris. São feitas pelas chamadas “cobrideiras” e apesar de a sua confeção requerer apenas dois ingredientes (miolo de amêndoa e uma calda de água e açúcar), implica muitos dias de trabalho.

A azeitona e o azeite deste território contribuem decisivamente para a excelência dos produtos agroalimentares locais. Aí se produz biologicamente o Azeite de Freixo de Numão e a Azeitona de Conserva Negrinha de Freixo que obteve a classificação DOP. Esta azeitona tem “a polpa mais desenvolvida, é mais carnuda e com caroço mais pequeno”, o que a torna preferida para conserva.

A Associação Nacional de Criadores de Ovinos de Raça Churra da Terra Quente, situada em Torre de Moncorvo, tem vindo a proteger a Ovelha de raça Churra, o seu leite e derivados e também o Queijo Terrincho que alcançou a qualificação DOP.

Ao longo de várias gerações o principal sustento de muitas famílias da Foz do Sabor, concelho de Torre de Moncorvo, foi a pesca de peixe do rio, cuja qualidade e quantidade se deve à confluência dos rios Douro e Sabor. As Migas de Peixe do Rio, inicialmente um prato de subsistência, adquiriram fama e constituem hoje uma mais-valia turística e económica para a região.

Os cogumelos de Mogadouro são, há décadas, tidos como um alimento natural utilizado na subsistência de muitas famílias. Mogadouro assume‑se como a capital do cogumelo, tendo até um monumento em granito alusivo ao cogumelo e à micologia.

Os espargos (Asparagus), planta que cresce espontaneamente, é conhecida desde tempos remotos pelas suas propriedades terapêuticas e gastronómicas. Neste território podem ser encontrados em olivais, junto aos muros e caminhos ou mesmo em terrenos abertos não cultivados.

Na primavera existe a tradição de “ir aos espargos”. Esta planta permite confecionar uma grande variedade de receitas, como por exemplo as Migas de espargos selvagens com ovos mexidos; os espargos selvagens com ovo, pão, cogumelos e toucinho fumado; a Sopa de espargos selvagens, os espargos grelhados com presunto e a omeleta de espargos selvagens.

As Sopas de Tomate de Freixo de Espada à Cinta são uma receita ancestral, cujas origens e autoria são desconhecidas.

Fáceis de preparar, substanciais, com ingredientes extraídos diretamente dos campos, as Sopas de Tomate foram um meio de subsistência em tempos difíceis.

As sopas começaram por ser a merenda de eleição dos segadores que as transportavam em merendeiras para os campos e que as comiam, novamente, à ceia. Atualmente as sopas de tomate de Freixo de Espada à Cinta constituem uma referência na gastronomia freixenista.

Na gastronomia deste território deverá salientar‑se também a importância da caça, sobretudo o Arroz de Lebre com Couves, tradicional de Freixo de Espada à Cinta, bem como Lebrada com Feijão branco, Coelho Bravo guisado, Perdiz estufada com presunto, Guisado de Javali e Tordos Assados.

Sabia que…

O Queijo Terrincho é produzido exclusivamente por leite de ovelha de uma raça específica – a Churra da Terra Quente. A área geográfica da sua produção abrange os concelhos de todo o Douro Superior. É um queijo curado, de pasta semimole branca e uniforme, ligeiramente untuosa, obtida por esgotamento lento da coalhada, após a coagulação do leite cru e puro. É um queijo de sabor suave, limpo e característico e mais forte quando envelhecido. É um alimento que invariavelmente entra na gastronomia portuguesa apimentando o início das refeições.

Entradas

Cogumelos grelhados

13 deliciosas receitas Tradicionais do Douro
São portuguesas e deliciosas: 13 receitas tradicionais do Douro

Ingredientes

  • Cogumelos
  • Sal
  • Alho moído
  • Azeite
  • Vinagre

Preparação

Retira‑se o pé do cogumelo.

No interior coloca‑se sal, alho moído, azeite e vinagre.

Leva‑se a grelhar.

Omelete de espargos silvestres

13 deliciosas receitas Tradicionais do Douro
São portuguesas e deliciosas: 13 receitas tradicionais do Douro

Ingredientes

  • 1 molhinho de espargos selvagens
  • 6 ovos
  • Sal q.b.
  • Pimenta q.b.
  • Azeite q.b.

Preparação

Lavam‑se os espargos, de seguida cortam- se em pedaços, deixando as cabeças inteiras.

Levam‑se a ferver durante 2 ou 3 minutos em água com um pouco de sal. Depois escorrem‑se bem num passador.

Batem‑se muito bem os ovos com o sal e a pimenta, e adicionam‑se os espargos, envolvendo muito bem.

Leva‑se uma frigideira antiaderente ao lume com um pouco de azeite para aquecer.

Quando estiver quente deitam‑se os ovos, que se deixam prender, começando lentamente a enrolar a omeleta, deixando-a cozinhar enquanto se enrola.

Serve‑se simples com um bom pão ou com uma salada de alface, só levemente temperada.

Sopas

Sopas de tomate

13 deliciosas receitas Tradicionais do Douro
São portuguesas e deliciosas: 13 receitas tradicionais do Douro

Ingredientes

  • 500 g de pão cortado às fatias finas
  • (pão de trigo com 2 ou 3 dias)
  • 1 cebola média cortada
  • 1 dente de alho
  • 1 folha de louro
  • 4 tomates médios bastante maduros
  • 6 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de sopa de banha de porco
  • 1 malagueta pequena (opcional)
  • Sal q.b.
  • 1 ramo de hortelã

Preparação

Leva‑se uma panela ao lume com o azeite, alho, cebola, louro, banha de porco e colorau.

Após 10 minutos ao lume, acrescenta‑se o tomate pelado e cortado aos cubos pequenos.

Deixa‑se apurar durante 5 minutos.

Acrescenta‑se água q.b., sal a gosto e a malagueta. Deixa‑se ferver durante 5 minutos.

Com o lume desligado acrescenta‑se o pão e um ramo de hortelã e deixa‑se repousar cerca de 15 minutos. As sopas estão prontas para servir.

(cont.)

1
2
3
4

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.