Início Histórias Os turistas mais difíceis de contentar em Portugal

Os turistas mais difíceis de contentar em Portugal

O Museu dos Coches só tem coches e o Oceanário só tem peixes. O vulcão das Sete Cidades não está em erupção. Conheça os turistas mais difíceis de contentar.

_

Serra da Estrela

Portugal: os turistas mais difíceis de contentar
Portugal: os turistas mais difíceis de contentar – © Turismo da Serra da Estrela

Serra da Estrela no Inverno. “Assim que desci do carro me senti dentro do freezer, é desconfortável, tanto pelo frio quanto pela quantidade de roupas que usamos!” – Ba Veríssimo, São Paulo

E depois, esta ridícula ideia de preservar pedras e mais pedras

Templo de Diana

Portugal: os turistas mais difíceis de contentar
Portugal: os turistas mais difíceis de contentar – © D.R.

Templo Romano de Évora. Cuidado, parece que são ruínas!

Templo de Diana

Portugal: os turistas mais difíceis de contentar
Portugal: os turistas mais difíceis de contentar – © NUNO VEIGA/LUSA

O turista Gonçalves, que não diz de onde é, deixa o aviso: “O templo está parcialmente em ruínas”

Templo de Diana

Portugal: os turistas mais difíceis de contentar
Portugal: os turistas mais difíceis de contentar – © D.R.

Outra reclamação: “Não se pode passear entre os pilares”, diz o desapontado Jubjaeng, de New Jersey

Templo de Diana

Portugal: os turistas mais difíceis de contentar
Portugal: os turistas mais difíceis de contentar – © D.R.

“Tudo o que resta são umas poucas colunas escurecidas que parece terem sido feitas de cimento”, critica Dierregui, de Bruxelas.

Conímbriga

Portugal: os turistas mais difíceis de contentar
Portugal: os turistas mais difíceis de contentar – © STR/LUSA

Ruínas Romanas de Conímbriga: “É um local bastante grande, com muitas fundações expostas, mas nenhuma das estruturas permanece”, logo, Carpsenior, do Canadá, avisa que é péssimo.

Castelo de São Jorge

Portugal: os turistas mais difíceis de contentar
Portugal: os turistas mais difíceis de contentar – © Manuel Almeida/LUSA

Castelo de São Jorge, Lisboa. “Não vale a pena subir tão alto para depois não ver nada além de pedras” – anónimo de Burgos, Espanha.

Castelo de São Jorge

Portugal: os turistas mais difíceis de contentar
Portugal: os turistas mais difíceis de contentar – © Andre Kosters/LUSA

“Urghhhhhh…. Não tentem subir a colina a não ser que estejam em boa forma física. Sou saudável, mas senti-me mal quando cheguei ao topo”, avisa o anónimo norte-americano.

Ainda conseguimos encontrar mais turistas que embirram com tudo. Por exemplo, os Pastéis de Belém, em Lisboa. São bons, mas….

São apenas pastéis de nata, aos quais temos que ser nós a juntar o açúcar e a canela” – Sérgio F, Portugal

E é difícil agradar quando não se percebe se o problema é uma coisa, ou o seu inverso. Veja-se o caso do Elevador de Santa Justa, em Lisboa:

Bom, sim, é um elevador histórico, mas pffffffff é super lento, pequeno, lento, lento, lento, lento! Já disse que era lento??” – Carmen, Espanha

Lento? Não será rápido?

Autora: Rita Ferreira

8 COMENTÁRIOS

  1. Acabei por achar cómico. E trágico, claro! A ignorância – por si só – já é suficientemente perigosa, mas quando aliada a outras ‘qualidades’ da mesma categoria, é absolutamente fracturante!

  2. Tanta ignorância! Assim fica difícil até comentar… Conheço todos esses lugares e achei-os todos maravilhosos! Inacreditável! Mas atribuo todas as críticas idiotas ao mal humor dessas pessoas. Turistas mal humorados não deviam sair de casa!

  3. Pergunto, qual a razão que leva essa gente a visitar museus? Lógico que um museu de coches tem coches, um aquário tem peixes…Santa ignorância.

  4. A primeira vez que estive em Portugal foi em 1987; uma semana passando por Coimbra, Porto e Lisboa. Achei o país muito parecido com o Brasil, meio caótico para falar a verdade, infraestrutura precária e outros problemas.
    Em 2010, minha filha formou-se na Universidade do Porto. Estive de novo em Portugal, “turistiei” por vários lugares, Lisboa, Sintra, Fátima e outros locais e me encantei com o que vi. Diferença em relação a 87 foi gritante.
    Em 2016, estive de novo. Aveiro e cidades próximas, só cegos não enxergam tantas maravilhas.
    Em 2018, mais uma vez, parti de Matosinhos para Santiago de Compostela, via litoral …preciso voltar, mas gostaria de ficar.

  5. Eu me pergunto o que espera ver uma pessoa que vai a um museu de colches, senão colches ? Para mim não é questão de exigência é falta de lógica !!! Portugal é lindo, respira história e cultura, estas pessoas valorizaram tanto o que não viram, quando deveriam exaltar a simplicidade, o zelo ou a consciência do que viram…

  6. Não conheço nem eu país direito, Brasil, mas gosto de ler e ver os outros países. As pessoas em questão, que tanto depreciaram os lugares que estiveram, são no mínimo desrespeitosos, nem deveriam sair de suas casas. Eu, ao menos, creio que não é só admirar mas respeitar a cultura de cada lugar é fundamental.
    Não faz sentido gastar em uma viagem para esculhambar com o país e sua história. Que memórias boas terão depois.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.