Início Histórias O Natal encantado lisboeta no século passado (31 fotos)

O Natal encantado lisboeta no século passado (31 fotos)

Vendiam-se perus na rua, o Coliseu abria o Circo e as ruas já brilhavam com as luzes de Natal. Veja 31 fotos antigas do Natal encantado lisboeta.

1839
O Natal encantado lisboeta no século passado (31 fotos)
O Natal encantado lisboeta no século passado (31 fotos)

O Natal encantado lisboeta no século passado (31 fotos)

Vendiam-se perus na rua, o Coliseu abria o Circo, descarregavam-se brinquedos para a Quermesse de Paris. E as ruas já brilhavam com as luzes de Natal.

Quando as luzes coloridas daquelas duas casas na encosta junto ao Convento de S. Francisco se acendiam à janela, Alexandra Roldão sabia que o Natal já tinha chegado. Criada em Alenquer, Alexandra recorda no blogue “Alenquerensis” que esse era o sinal para se preparar para a típica visita a Lisboa: acompanhada pelos pais, apanhava o autocarro muito cedo para Vila Franca de Xira e daí seguia para a capital de comboio.

Assistia a uma peça de teatro, almoçava num restaurante e depois chegava a melhor parte do dia: espreitar as montras repletas de brinquedos da Casa Bénard, da Quermesse de Paris ou da Casa Pinóquio. Quando o sol se punha, as ruas ganhavam outras cores: eram as luzes de Natal que já então invadiam a cidade.

Em 1963, importando a tradição vinda do século XVII norte-americano, os homens do campo tomavam conta das ruas lisboetas onde vendiam os perus para a ceia de Natal. A Sapataria Lord, na rua Augusta, preparava um montra luxuosa a combinar com a quadra e o Coliseu dos Recreios abria portas ao Circo de Natal, um espetáculo que sobreviveu até à atualidade, celebrando este ano 123 anos.

Em 1965, havia dois espetáculos à tarde — uma sessão às 14h30 e outra às 17h15 — e a entrada era gratuita para as crianças entre 6 e 10 anos. O Grandioso Espetáculo, no entanto, era a grande atração: acontecia na véspera de Natal às 21h30 e só podiam entrar pessoas com mais de 6 anos.

Toda a cidade mergulhava no espírito natalício: a pastelaria Cinderela avisava os clientes para encomendarem os bolos-rei com antecedência porque as filas seriam grandes, a rua 1º de Dezembro enchia-se de brinquedos para a Quermesse de Paris e o Largo de São Roque ficava intransponível com tanta gente esperançosa de ter ganho a Lotaria de Natal.

Se os brinquedos de plástico enchiam o imaginário das crianças, os prémios faziam brilhar os olhos dos adultos. E havia muitos: o Cabaz de Natal prometia televisões, aspiradores, ferros de engomar e outros eletrodomésticos ponta de gama e a Eva de Natal incluía mil presentes, desde moradias completamente mobiladas a perfumes, como recorda o site Restos de Colecção.

Para aquelas cujas carteiras não acompanhavam as grandes lojas do Chiado, os vendedores ambulantes montavam bancas na Praça da Figueira, no Largo de Camões e no Rato. Alexandra Roldão lembra-se que, a 24 de dezembro, o Diário de Lisboa publicou que “o Natal é a época dos meninos que, felizes, escolhem dentro das lojas os brinquedos que vão possuir e dos meninos que de fora, nariz esborrachado contra o frio dos vidros das montras, olham os brinquedos que nunca terão”.

Recorde como é que a capital portuguesa se transformava para o Natal no século passado.

O trânsito na época de Natal em 1957 junto à Companhia de Seguros Confiança.

Os carros estacionados na Avenida Guerra Junqueiro em 1959.

(cont.)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.