Início Histórias O Mistério do Mamute de Beresovka

O Mistério do Mamute de Beresovka

A descoberta de um mamute, encontrado numa das mar­gens do rio Beresovka, na Sibéria, manteve os cientistas perplexos durante muitos anos.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

O Mistério do Mamute de Beresovka

A descoberta de um mamute semi-a­joelhado, encontrado numa das mar­gens do rio Beresovka, na Sibéria, manteve os cientistas perplexos durante muitos anos.

O Mistério do Mamute de Beresovka
Mamute de Beresovka, empalhado com a pele do original na posição em que foi encontrado, Museu de Zoologia de São Petersburgo na Rússia.

Surpreendentemente, o mons­tro perfeitamente congelado e em excelente estado de conservação, tinha na boca ranúnculos botão-de-ouro (Ranunculus repens). Este facto isolado, que a princípio passou despercebido, iria fornecer uma pista sobre um momento terrível da história geológica da Terra.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

Os mamutes eram animais peludos e de dentes compridos que apresentavam afini­dades com os elefantes, que vaguearam pelo Mundo durante meio milhão de anos e se extinguiram há cerca de 20 000 anos.

Nos territórios permanentemente gelados da Si­béria Setentrional, do Alasca e do Canadá, podem ainda ser encontrados muitos destes antigos animais, em estado de congelação perpétua.

O Mistério do Mamute de Beresovka
Pormenor da carcaça do mamute congelado, descoberto ainda com sangue

Apesar dos milhares de anos decorridos, a sua carne está ainda em condições de ser consumida – segundo aqueles que a prova­ram. Os corpos de outros animais, há muito extintos, foram também encontrados no mesmo estado de congelamento, caídos desordenadamente por entre montes de ossos e carne retalhada.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

Os cientistas explicaram facilmente esta hecatombe antiga. Manadas imensas de ma­mutes costumavam percorrer as tundras – vastas planícies árticas, alimentando-se de ervas, caniços e outras plantas que a­tualmente ainda, durante o Verão, cobrem a terra.

De vez em quando algum animal fi­cava preso no gelo ou despenhava-se através de uma fenda de glaciar, ficando congelado, pelo que se mantinha em perfeito estado de conservação ao longo dos tempos.

A explicação, que parecia óbvia, era, po­rém, totalmente errada.

O Mistério do Mamute de Beresovka
Vegetação da tundra – O Mistério do Mamute de Beresovka

A primeira objeção era o local onde os esqueletos eram encontrados, que não se ajustava à teoria exposta. Vastas áreas do Ártico são cobertas de gelo, mas a maior parte da tundra é composta de terra – areia, lodo dos rios e argila ligados entre si pela água gelada. E os mamutes não foram des­cobertos no gelo, como seria de supor, mas nas camadas de lodo.

Além disso, durante esse período não havia glaciares na Sibéria, exceto nas zonas superiores das montanhas, onde os mamutes não podiam pastar.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

Surgiu nova teoria: os mamutes teriam caído aos rios e sido arrastados pela corrente até às desembocaduras, onde se teriam en­terrado no lodo.

Mas tão pouco esta teoria se ajustava à realidade dos factos: os mons­tros eram encontrados na tundra, onde nunca houvera rios. E não podiam ter-se afogado, porque muitos dos animais mantinham-se ainda de pé, congelados na posi­ção em que haviam morrido.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

Foram consultados especialistas no co­mércio de carne congelada, os quais, porém, em vez de esclarecerem o mistério, torna­ram-no ainda mais intrigante.

Segundo declararam, perentoriamente, não havia qualquer possibilidade de congelar um animal de di­mensões tão grandes como o mamute à temperatura relativamente moderada do gelo ártico.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

A esta temperatura a carne congelar-se-ia lentamente, processo que originaria a for­mação de cristais nas suas células, que re­bentariam desidratando a carne, a qual se tornaria imprópria para consumo, facto que não se verificava.

São necessários 30 minutos para congelar devidamente um costado de vaca a uma temperatura de -40°C. Para congelar um enorme mamute vivo, protegido por uma pele espessa, seriam necessárias, segundo os cálculos dos peritos, temperaturas extraor­dinariamente baixas, inferiores a -150°C. Tais temperaturas nunca foram registadas de modo natural sobre a Terra, nem mesmo no Ártico.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

A razão, constatada por várias provas, pa­rece atestar o absurdo de tal teoria, parti­cularmente evidente através do mamute de Beresovka, que comia junças, ervas e ra­núnculos, quando a sua morte se verificou subitamente.

Congelamento súbito

O Mistério do Mamute de Beresovka
Ranúnculos botão-de-ouro – O Mistério do Mamute de Beresovka

De acordo com o que a experiência de nu­merosos anos ensinou a muitos jardineiros, os ranúnculos botão-de-ouro preferem con­dições climatéricas temperadas, com alter­nância de sol e chuva.

Aparentemente, no entanto, o mamute, que mastigava pacificamente a erva e os ra­núnculos que cresciam viçosos ao sol de uma planície temperada, foi repentinamente – segundo asseguraram os especialistas em congelamento – submetido a um frio tão in­tenso que ficou congelado no local onde se encontrava.

O Mistério do Mamute de Beresovka
Mamute de Beresovka

Estes são factos incontestáveis. Os cientis­tas tinham de explicar como se processara o fenómeno, não apenas no Beresovka, mas em muitos locais em toda a Sibéria Setentrional e no Alasca, onde os gigantescos mamutes ficaram súbita e inexplicavelmente congelados.

Não se conhecia nenhuma variação nas condições climatéricas capaz de explicar o súbito congelamento de um número tão elevado de quadrúpedes, de tão grandes dimensões, e separados entre si por tantos mi­lhares de quilómetros de distância. Só um cataclismo súbito de proporções até agora inimagináveis poderia ter sido a causa do fenómeno.

O Mistério do Mamute de Beresovka
Erupção vulcânica – O Mistério do Mamute de Beresovka

As provas de que se dispõe sugerem um sismo e uma erupção vulcânica mais violen­tos do que quaisquer outros registados na História.

A crosta terrestre, cuja espessura está compreendida entre 30 e 100 km e é com­posta de várias placas que exercem pressão umas contra as outras, flutua sobre o inte­rior, em fusão, do nosso planeta.

Nos locais de encontro de 2 placas produzem-se pres­sões e fricções violentas de ambos os lados que podem ocasionar erupções vulcânicas e abalos sísmicos.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

Pensa-se que a erupção que causou a morte dos mamutes terá sido o resultado da fricção entre 2 placas, em virtude da qual se abriu uma vasta fenda na crosta terrestre.

Frio inimaginável

Numa erupção tão violenta, a Terra não só vomitaria lava ardente do seu interior como se produziria também uma enorme descarga de gases vulcânicos.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

Se estes gases fossem lançados a alturas bastante elevadas, até às camadas superiores da atmosfera, seriam congelados a tempera­turas assombrosamente baixas.

Depois, du­rante o cataclismo, descreveriam uma espi­ral em torno da Terra, descendo finalmente sobre a camada inferior de ar quente, que atravessariam sob a forma de rajadas violen­tas, nas zonas menos espessas, precipitan­do-se a velocidades inacreditáveis sobre a superfície da Terra.

Nas zonas atingidas pelos gases verificar­-se-iam temperaturas assombrosamente baixas, de -150°C, consideradas necessárias pelos peritos para provocarem o congela­mento dos mamutes.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

Na Sibéria, o mamute estaria a pastar cal­mamente na tundra quando se abateu sobre ele um frio tão intenso que imediatamente lhe gelou os pulmões e literalmente trans­formou o seu sangue em gelo.

Em escassos segundos estaria morto; em poucas horas estaria transformado numa estátua sólida, pronta a afundar-se na terra ao longo dos anos e a ser sepultada pelas poeiras do tempo.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

O frio poderia ainda ter sido acompa­nhado por um vento tão violento que arras­tasse num turbilhão todos os seres vivos – mamutes, tigres, leões, rinocerontes la­nosos, bisontes e castores – até à encosta de um monte, depositando-os como uma massa gelada, que jazeria para sempre por entre um emaranhado de árvores, pedras e terra.

O Mistério do Mamute de Beresovka
O Mistério do Mamute de Beresovka

O quadro é tanto mais terrível quanto é certo que a Humanidade não tem qualquer garantia de que não volte, um dia no futuro, a repetir-se.
_


OUTROS ARTIGOS QUE LHE PODEM INTERESSAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.