Início Histórias Mike Davis, a marca portuguesa que há 40 anos passa por estrangeira

Mike Davis, a marca portuguesa que há 40 anos passa por estrangeira

Ainda hoje há quem vista roupa da marca Mike Davis e não saiba que ela é 100% portuguesa. 40 anos a competir com as marcas internacionais mais cobiçadas.

Mike Davis, a marca portuguesa que há 40 anos passa por estrangeira

Mike Davis surgiu em 1977 ainda a revolução ia no adro e as marcas desportivas estrangeiras eram uma miragem. Marchou contra a corrente, surfou a onda e lançou uma marca de roupa desportiva 100% portuguesa.

Ainda hoje há quem vista roupa da marca Mike Davis e não saiba que ela é 100% portuguesa. Que nasceu no clube de Ténis da Foz, no Porto, numa tarde de 1976, quando três amigos amantes do Ténis, do Windsurf e da Vela decidiram aproveitar a onda revolucionária que o país vivia para lançarem uma marca de roupa desportiva que fosse tão moderna e apelativa como aquelas que ainda só se viam nas revistas internacionais.

Essa aura de cosmopolitismo ligada a desportos de elite fez com que a Mike Davis estivesse 40 a competir com as marcas internacionais mais cobiçadas.

O tenista que deu o nome à marca

Em 1977 Henrique Schreck, Paulo Schreck e Raul Leitão saem as primeiras peças: vestuário técnico para Ténis e Windsurf, mas naqueles anos de efervescência isso não bastava. Era preciso aliciar novos praticantes, promover as atividades nas escolas, realizar torneios, patrocinar e estimular os que já praticavam.

Talvez porque tiveram essa visão global e não apenas comercial do desporto, os fundadores conseguiram que a marca se tornasse um hit entre desportistas e não desportistas. Só a partir dos anos 90, com a entrada de muitas marcas internacionais é que o reinado da Mike Davis começou a ser ameaçado.

José Manuel Cordeiro , em 1979, foi um dos primeiros atletas a ligar-se à Mike Davies usando as roupas técnicas da marca.

Mike Davis era o nome de um emblemático tenista galês que os criadores decidiram homenagear atribuindo o seu nome à marca. Mas a partir daí quase tudo é português: desde os designers, aos materiais, ao fabrico das peças tudo é feito dentro das fronteiras nacionais.

Nos anos 70 criaram os polos cuja malha é de criação e fabrico nacional e que têm demonstrado ter uma durabilidade excecional. Isto quando ainda poucas marcas davam importância à conceção técnica do vestuário. Foram ainda a primeira marca portuguesa a usar o neopreno para fabricar peças destinadas aos desportos náuticos.

Entretanto chegam os anos 80, com eles os desportos praticados dentro de água entram na moda e a marca portuguesa acompanha essa movida: a vela e o surf entram na constelação Mike Davis que se lança também no fabrico de pranchas, velas, raquetes e calçado especial.

A par da proximidade ao desporto de competição, a marca ganha um hype também junto aos atletas de outras modalidades e depois junto do grande público, especialmente dos mais jovens. Os polos, os famosos “sapatos vela” e as parkas passaram a ser usados pela classe média-alta como sinónimo de status quo, tal era a reputação da marca.

Se Leonard Coen criou o Blue Rain Coat, a Mike Davis criou a parca amarela nos anos 80 e agora pegou do modelo e apresenta-o revisto e atualizado

Mas a ligação ao ténis foi, e continua a ser, o núcleo fundamental da Mike Davis. Desde os anos 70 até hoje que todos os portugueses que se destacaram esta modalidade estiveram ligados à marca. De João Guedes a Pedro Cordeiro, de João Cunha e Bernardo Mota até João Sousa (hoje o 33º no ranking internacional da modalidade).

No final dos anos 90 a empresa associa-se também aos desportos motorizados e apoia o Rally de Portugal. Em 2006 liga-se também ao horseball e patrocinou a equipa portuguesa que, nesse mesmo ano, se sagrou campeã mundial da modalidade. Este ano a marca será a responsável por todo o fardamento do staff do torneio de ténis Estoril Open.

Depois de ter atravessado uma fase descendente, a Mike Davis renasce em 2013 com a entrada de Luís Aranha como CEO e de Ana Isabel Ramos como Diretora Artística, ambos com muita experiência na área dos têxteis e que deram à marca um impulso para novas direções. Abandonado, para já, o vestuário técnico, o enfoque da marca é agora o casual wear.

De Portugal para os portugueses

Ana Isabel Ramos explicou as linhas orientadoras da Mike Davis que projeta para o futuro: “Queremos recuperar as tradições da marca, aproveitar toda a patine e experiência acumulada ao longo de quatro décadas para nos aproximarmos de novos públicos, acompanharmos as tendências da moda, da cultura e da sociedade.”

Campanha primavera/verão 2017 da Mike Davis sempre inspirada nas modalidades desportivas que fizeram a história da marca

Apesar da aposta no casual wear, a Mike Davis não pretende transformar-se numa marca de fast fashion, muito pelo contrário, garante Ana Isabel Ramos: “A nossa roupa é irrepreensível. As T-shirts não ficam tortas, os polos mantém aquele picotado original, temos um gabinete só para o estudo de cores, pois a tinturaria é fundamental para o fabrico de roupas de qualidade.”

95% da coleção é feita com matérias-primas portuguesas, “só mesmo os materiais complexos que ainda não são fabricados cá é que compramos no exterior. Porque queremos precisamente celebrar e aprofundar essa ligação a Portugal”, diz ainda a designer criativa da empresa.

Ao recuperar as peças icónicas da marca, quer numa versão vintage, quer na versão recriada, a Mike Davis assume os seus 40 anos, a desaceleração do tempo, as busca de uma outra forma de viver “mais lenta, onde o intemporal se sobreponha ao efémero, onde cada peça de roupa seja sentida como um investimento e não com um gasto”, diz ainda Isabel Ramos.

A Mike Davis tem, atualmente, 29 lojas próprias, a maioria na zona norte do país, mas também está à venda em lojas multimarca e tem algumas em regime de franchising.

O Percurso

01

Ainda hoje há quem vista Mike Davis e pense que é uma marca estrangeira.

02

O tenista que deu o nome à marca.

03

© Pedro Ferreira

O polo branco e vermelho destinado à prática do ténis foi a primeira peça da marca. Este polo voltou agora a ser comercializado como uma das heranças icónicas da Mike Davis e uma preciosidade para quem gosta de peças vintage.

04

Em 1978 os sacos desportivos para homem e mulher, customizados com o símbolo da Mike Davis.

05

Em 1979 a marca apoiava o tenista José Manuel Cordeiro.

06

© mike davis

Saco desportivo lançado em 1980, que foi um dos hits da marca a chegar ao grande público.

07

Irineu Pais a caminho de uma prova de windsurf com material Mike Davis.

08

Equipa júnior de vela, em 1980, patrocinada pela Mike Davis.

09

Equipamento desenvolvido pela Mike Davis para a Seleção Portuguesa de Ténis.

10

A marca foi a primeira a desenvolver vestuário técnico para a prática do ténis, de que estes calções dos anos 80 são exemplo.

11

João Cunha e Silva e Nuno Marques numa eliminatória da taça Davis, anos 80.

12

João Guedes, o tenista que se associou à marca desde o seu início, aqui vestido pela Mike Davis, num torneio desportivo nacional.

13

Nos anos 80 o windsurf estava definitivamente na moda e as T-shirts Mike Davis celebravam-no.

14

Os polos Mike Davis já numa versão ‘casual wear’ adaptados à moda dos anos 80.

15

Publicidade às raquetes Mike Davis, anos 80.

16

Equipa juvenil treinada por João Guedes num torneio organizado pela Mike Davis em 1985.

17

Equipa juvenil de atletismo patrocinada pela Mike Davis nos anos 80.

18

Em 1991 a marca lança os seus famosos “sapatos vela” que passaram a ser a imagem de marca das classes média-alta.

19

Nos anos 80 e 90 a marca abriu várias lojas próprias e em franchising.

20

O tenista João Cunha e Silva em 1996, ano em que foi campeão.

21

As fitas para a testa e para os pulsos, uma moda que saltou dos courts para as ruas. Aqui na versão nacional pela Mike Davis.

22

© Frederico Martins

A coleção “casual wear” de 2017, inspirada nas modalidades que estiveram na origem da marca.

23

A nova Mike Davis quer, nesta coleção de 2017 celebrar uma ligação ancestral ao mar.

24

A revisitação dos polos sempre feitos com a mesma malha inicial.

25

© Frederico Martins

O vestuário feminino tem uma presença cada vez mais forte nas novas coleções.

26

Ténis brancos da coleção 2017.

27

Ténis pretos da coleção 2017.

28

© Francisco Nogueira

O futuro da marca manifesta-se na aliança entre tradição e modernidade que tanto as novas lojas como as novas coleções procuram expressar.

Autora: Joana Emídio Marques
_


OUTROS ARTIGOS QUE LHE PODEM INTERESSAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.