Início Cultura Língua Portuguesa: qual a origem da palavra «Obrigado»?

Língua Portuguesa: qual a origem da palavra «Obrigado»?

Só no século XIX começamos a ver surgir nos textos o «obrigado» com o sentido de agradecimento que lhe damos hoje. Qual é a origem da palavra «obrigado»?

origem da palavra «Obrigado»
Língua Portuguesa: qual a origem da palavra «Obrigado»?

Só no século XIX começamos a ver surgir nos nossos textos o «obrigado» com o sentido de agradecimento que lhe damos hoje. Qual é a origem da palavra «obrigado»?

a origem da palavra «obrigado»
Marco Neves

O que quero saber é isto: qual é a origem desta palavra? Assim, à partida, parece fácil. Podemos fazer aquelas viagens no tempo que já começam a ser costumeiras por estas bandas.

«Obrigado» virá do particípio passado do verbo latino «obligō». Este, se escavarmos um pouco, veio da raiz indo-europeia «*leyǵ-», que significaria ligar — e, diga-se, o verbo português «ligar» tem a mesmíssima origem indo-europeia.

Isto é interessante, não tenho dúvidas, mas mais interessante será ver que esta viagem não explica a origem da nossa fórmula de agradecimento. Afinal, a origem que descrevi acima é a mesmíssima origem da palavra «obligado» do castelhano — e um espanhol nunca diz «obligado» para agradecer seja o que for.

Reparemos nisto: «obrigado», na verdade, são duas palavras.

Temos a forma «obrigado», particípio passado do verbo «obrigar», que às vezes se disfarça de adjectivo. (Este uso duplo da mesma palavra como particípio e adjectivo acontece em muitos lugares da nossa língua — e em muitas outras línguas. É algo banal.)

Este «obrigado» aparece em frases como «Fui obrigado a abrir a porta.» ou «Eu sou obrigado a virar à esquerda naquele cruzamento.». Esta palavra tem vários usos e tem origem na tal palavra latina. Corresponde, sem grandes discrepâncias, ao «obligado» castelhano.

Mas, depois, temos o nosso amigo e conhecido «obrigado» como fórmula de agradecimento.

Muitas línguas têm uma interjeição com este significado:

  • Inglês: «thanks»
  • Francês: «merci»
  • Castelhano: «gracias»
  • Alemão: «danke»
  • Japonês: «arigatō»

E podíamos continuar por aí fora…

A origem de cada uma destas fórmulas é distinta. O «thanks» inglês terá origem na expressão «thanks to you», ou seja, «graças a si», o que será parecido ao percurso que levou às fórmulas castelhana e alemã.

Já o «merci» francês teve outra origem, semelhante à origem da nossa expressão «Vossa Mercê», o que nos leva a concluir que o «merci» francês e o «você» português têm uma origem comum.

A fórmula portuguesa surgiu a partir de expressões mais complexas, como eram as fórmulas finais nas cartas, tal como «Muito Venerador e Obrigado a Vossa Mercê». Com o tempo, aquele «obrigado», que tinha a tal origem latina muito antiga, começou a deixar para trás — sem o perder por completo — o sentido original de obrigação e passou a ser usado como fórmula fixa.

Ou seja, aquela forma verbal, ao contrário do que aconteceu nas outras línguas, tornou-se a interjeição de agradecimento típica da língua portuguesa. Digamos que a palavra decidiu saltar de categoria — e reinventar-se. No entanto, a palavra anterior («obrigado» como forma verbal) não desapareceu. Reproduziu-se, foi o que foi.

Agora, o ponto mais interessante: como explica Fernando Venâncio neste artigo reproduzido no Ciberdúvidas e publicado originalmente na revista Ler, esta reinvenção da palavra é muito mais recente do que pensamos.

Só no século XIX começamos a ver surgir nos nossos textos o «obrigado» com o sentido de agradecimento que lhe damos hoje. Imagino que, na oralidade, o uso seja um pouco mais antigo. Mas, seja como for, dificilmente podemos crer que Camões dissesse «obrigado!» quando alguém lhe dava alguma coisa, por exemplo.

Que consequências tem isto? Para começar, deita por terra a teoria de que a palavra tem uma ligação profunda à alma portuguesa, como já cheguei a ouvir por aí (estas teorias que ligam esta ou aquela característica linguística ao carácter nacional são sempre muito suspeitas).

Depois, torna a ideia de que o «arigatō» japonês teve origem no «obrigado» português um belo anacronismo. É engraçada, mas não parece possível. (Mas não fique triste: há outras palavras japonesas de origem portuguesa.)

Como agradeciam os portugueses antes desta transformação tão recente? Como lembra Ana Salgado nesta página, há outras expressões de cortesia na língua: «agradecido»; «bem haja»; «grato»…

A certa altura, as tais fórmulas pomposas das cartas começaram a desbastar-se e daí surgiu mais uma fórmula de cortesia: o nosso conhecido «obrigado». Ora, a palavra mais recente acabou por crescer de tal maneira que, hoje, ultrapassa as fórmulas mais antigas — é a nossa interjeição de agradecimento típica e uma das primeiras palavras que um estrangeiro aprende quando aprende português. O mesmo não acontecia há 300 anos.

Como sempre, a língua continua a moldar a palavra e a reinventá-la. Já não temos só o «obrigado», mas também o «muito obrigado» ou o «obrigadíssimo» — e ainda o levemente irónico «obrigadinho».

Dou por terminada esta pequena viagem à origem da palavra «obrigado». Mas não me vou embora sem dizer mais uma vez:

Muito obrigado (por ter lido este texto).

Autor: Marco Neves

a origem da palavra «obrigado»

Autor dos livros Doze Segredos da Língua PortuguesaA Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e A Baleia Que Engoliu Um Espanhol.

Saiba mais nesta página.

1 COMENTÁRIO

  1. Abomino está “explicação” porque não tem em conta a nossa História. Em todo o caso não prova que não fomos influenciados pelos Japoneses que dizem “Arigato” … Ora uma realidade prova-se se podemos contrapor o seu contrário,o que aqui não é feito. Digo,”abomino” porque se pega na palavra (coitada) obrigado e diz-me que só apareceu no séc 19, porque só há registos escritos dessa data. E eu fico pasmado com a incapacidade destes Académicos de se darem bem com o “nebuloso” da linguagem oral, que é sempre a Matriz primeira da Língua. O Doutor esquece, por exemplo, que tivemos cono Raínha mãe da Ínclita Geração no início da 2.a Dinastia uma Inglesa bem Educada e Ilustrada responsável pelos bons Estudos de D. Duarte, por exemplo. Ora o Inglês da Côrte dizia “Much Obliged’ (muito obrigado). A influência dos membros da Corte era muito relevante e rapidamente se fazia sentir em todo o Território atravrs6 dos Nobres que a visitavam ou das visitas que membros da Côrte faziam ao interior (como acontece hoje com a moda da Língua de Lisboa/Sul que através da Televisão se está a impor a todo o País, anulando todos os regionalismos). Partir de uma Palavra e do seu étimo para ir à procura do seu uso, principalmente de uma palavra que traduz um sentimento tão originário no comércio das relações humanas é não perceber o essencial da Linguística como Ciência de um meio/instrumento de Comunicação, por isso eminentemente Oral, Primordialmente Oral, e daí as linhas de derivação se devam buscar não na deriva sincrónico-etimológica, mas na diacrónico-de contexto. É o Contexto deste Povo que nos vai dizer como é que o uso Oral de uma Palavra tão importante e “não-erudita” chegou a impor-se no nosso dia a dia … Não foram os eruditos6 que decidiram que esta era a melhor Palavra para em Língua Portuguesa Agradecer. O que o Autor do Artigo acaba por3 omitir é o argumento e motivo do porquê ter resultado esta a Palavra “escolhida” pela Língua Portuguesa para agradecer na linguagem falada do dia a dia das relações de cordialidade social
    . Cordialmente agradecido por todo o seu esforço de linguista.
    Obrigado.
    Jorge Oliveira sj

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.