Início Cultura Língua Portuguesa: «Mais grande» é erro?

Língua Portuguesa: «Mais grande» é erro?

Há pouco, no Facebook, encontrei alguém exasperado porque descobriu um defeito no português! Língua Portuguesa: «Mais grande» é erro de português?

Mais grande
Língua Portuguesa: «Mais grande» é erro?

Língua Portuguesa: «Mais grande» é erro?

Marco Neves
Marco Neves

Há pouco, no Facebook, encontrei alguém exasperado porque descobriu um defeito no português! Pois, o pobre do homem percebeu que, em português europeu, podemos dizer «mais pequeno» mas não podemos dizer «mais grande».

Começaram logo as almas alarmadas a tremer de medo. Isto não é lógico! Isto não pode ser! Não faltaria muito para ter ali alguém a querer proibir a expressão «mais pequeno»! Há quem ande sempre a farejar problemas na língua…

Fernando Gomes, um dos pacientes navegadores destas discussões linguísticas, propôs-se a explicar a verdadeira e complexa lógica que todos nós trazemos na cabeça:

«Mais pequeno» usa-se com o que é mensurável metricamente ou palpável, «menor» com o que não é. Repare na diferença entre «o meu filho mais pequeno» e «o meu filho menor». No primeiro caso refere-se ao tamanho, no segundo à idade. Mais exemplos: «a mesa é mais pequena», «a inteligência é menor», «o carro é mais pequeno», «a distância é menor» (uma distância é mensurável mas não é palpável).

Boa explicação (embora me pareça que a situação ainda é mais complicada), mas o pânico continuou: então se é assim com «pequeno», tem de ser assim com «grande»! E não é! Que horror! O deus da língua distraiu-se!

Ai, calma, gente! Pois, os portugueses usam o adjectivo «pequeno» de maneira diferente do adjectivo «grande». E pronto, é isto. Tenham um bom dia.

Bem, deixem-me lá dizer mais umas coisas. A regra acima descrita pelo Fernando Gomes não foi pensada por ninguém, é a que está cabeça dos falantes do português, criada ao longo dos séculos pela deriva inconsciente e incontrolável da língua. As regras da língua são muitas vezes imprevisíveis — e muito complexas.

São, elas próprias, a lógica da língua. Não convém andar à procura de outras lógicas para justificar por que razão «pequeno» segue um padrão diferente de «grande» — tal como também não vale a pena procurar a razão por que «estar» é da primeira conjugação e «comer» é da segunda. As línguas são assim: imprevisíveis e bem mais complexas do que imaginamos.

A língua não é criada a régua e esquadro antes de ser usada. Tem tantas e tantas destas inconsistências, destas aparentes falta de lógica… E não há língua humana que não as tenha. Por exemplo, o verbo «ser» é irregular. É isso ilógico? Bem, se fosse eu a desenhar o português, arrumava os verbos todos e usava uma só conjugação.

Mas, felizmente, o português não foi inventado nem por mim nem pelo Manuel Germano (aquele que se confunde com o género humano).

A nossa língua — como todas as línguas — é uma colecção de hábitos antigos e muito desarrumados. Se querem mesmo ajardiná-la, têm muito que fazer — e no fim conseguiram apenas perder tempo.

Mais vale gastar esse tempo a aprender a língua como ela existe agora, na sua complexidade gritante, mas natural, e ainda nas suas tremendas variações, ao acomodar-se a cada região, a cada geração, a cada falante. E não é que até nos entendemos bastante bem?

Não tenham medo do português, que ele raramente morde.

Autor: Marco Neves

Autor dos livros Doze Segredos da Língua Portuguesa, A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e A Baleia Que Engoliu Um Espanhol.

Saiba mais nesta página.
_

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.