Início Cultura Língua Portuguesa: como se pronuncia «vizinho»?

Língua Portuguesa: como se pronuncia «vizinho»?

A discussão é antiga: como se pronuncia aquele primeiro «i»? Como se pronuncia «vizinho»?

vizinho
Língua Portuguesa: como se pronuncia «vizinho»?

A discussão é antiga: como se pronuncia aquele primeiro «i»? Como se pronuncia «vizinho»?

vizinho
Marco Neves

Terá sido assim em muitas das cidades por esse país fora: vizinhos que mal falavam, entretidos nas suas rotinas, conhecem-se hoje um pouco melhor, de tanta conversa à janela para aliviar o tempo passado em casa, com filhos e trabalhos. Falo por mim: não é que não conhecesse os vizinhos do meu andar — mas raramente nos aventurávamos em conversas com os habitantes de andares mais distantes… Pois agora até conversamos pelo telemóvel, todos juntos num grupo de WhatsApp.


Leia também: Língua Portuguesa: qual é a origem da palavra «criança»?


Ora, as obsessões são como são e, ao pensar nos meus vizinhos, pus-me a pensar na própria palavra e na maneira como é pronunciada por esse país fora. Lembro-me de assistir a acaloradas discussões sobre o primeiro «i» de «vizinho». São discussões que rivalizam com a mais aguerrida das reuniões de condomínio.

Não sei quantos portugueses pronunciam a primeira vogal de«vizinho» como «i» e quantos pronunciam como um «e» sumido, um som que os linguistas representam com o símbolo /ɨ/: um «i» riscado.

No entanto, sei que, pelos territórios do Sul por onde ando, oiço muito mais a versão com o «i» riscado — e sei também que já na Idade Média nos aparecem textos em que a palavra é escrita com «e»: «vezinno», mostrando como o escriba pronunciava a palavra, numa época em que a escolha das letras andava ao sabor do vento que saía da boca de quem escrevia.

A pronúncia sem o primeiro «i» é antiquíssima — e muitos juram que é a pronúncia tradicional, embora nisto da língua as tradições sejam tantas como as famílias. Amigos do Norte juram-me que as suas tradições familiares implicam pronunciar aquele «i» como «i». Acredito neles. Aliás, quando procuro transcrições fonéticas da palavra, aparecem-me as duas variantes: a versão com «i» e a versão sem «i».

São duas variantes antigas e usadas em todas as situações: concluo assim que as duas pronúncias estão correctas. Uma conclusão destas, por motivos que nem sempre compreendo bem, incomoda muita gente… Mas a culpa não é minha: é da língua!

Não é o único caso em que a letra «i» se lê como «e» (e o contrário também acontece muito; basta olhar para a primeira palavra dentro destes parênteses). Acontece o mesmo com «ministro», «feminino» e com «príncipe» (nesta segunda palavra, o «i» que foi dar uma volta foio segundo) — e podia ter escolhido outros exemplos.

Sempre que temos duas sílabas com «i» uma a seguir à outra, a sílaba átona tende a ser lida como se lá estivesse um «e» (o tal «i» riscado). É um fenómeno conhecido como dissimilação e foi muito importante na evolução da língua. Ora, nalguns casos, alguns falantes parecem recusar a tal dissimilação e, assim, ficamos com duas pronúncias diferentes.

vizinho

A escrita e a fala têm uma relação complicada… Habituados como estamos a escrever muito, julgamos ouvir na fala aquilo que os olhos encontram na escrita. É fácil encontrar quem nunca tenha reparado que um «s», no fim duma sílaba, se pronuncia como um «j» ou um «ch». Também é fácil encontrar quem nunca tenha reparado que pronuncia o segundo «i» de «príncipe» como «e». Também não será difícil encontrar quem pronuncie «vizinho» com «e» e jure que não o faz. O certo é que a relação entre as letras e os sons não é unívoca. Há muitas destas complicações na nossa língua e o facto de não repararmos nelas não implica que sejam erros, mesmo quando há variação entre diferentes regiões do país.


Leia também: Língua Portuguesa: diz-se Obrigado ou Obrigada


Haverá quem goste de ter tudo muito arrumado e fique incomodado com estas variações. Ora, desarrumações destas há em todas as línguas. E, se virmos bem, a língua está mais uniforme, por acção da escola, da comunicação social, da urbanização, dos contactos entre pessoas de diferentes regiões… Por isso, quem tem medo de que a variação impeça a comunicação está a lutar com o moinho errado. Há muitas barreiras ao entendimento, mas nenhuma delas é uma vogal ligeiramente diferente aqui ou acolá.

Afinal, num país como Portugal, somos todos vizinhos e, mais do que andar a impor vogais ao prédio inteiro, convém aprender a viver com estas diferenças. Tudo correrá bem — até à próxima reunião de condomínio, em que alguém tentará impor uma pronúncia uniforme e ficará registado em acta que a proposta foi rejeitada por maioria, depois de longa discussão.

Autor: Marco Neves

Autor dos livros Doze Segredos da Língua PortuguesaA Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e A Baleia Que Engoliu Um Espanhol.

Saiba mais nesta página.

1 COMENTÁRIO

  1. Desculpe-me descordar de sua explicação, mas como brasileiro, é simples notar porquê o português pensa dessa maneira. As vogais átonas no português de Portugal sofrem redução frequente ou até mesmo cancelamento, o que não acontece no português do Brasil, onde as vogais átonas só são reduzidas no final da palavra.
    É por esse motivo que a sílaba átona “vi” de vizinho quando reduz-se o “i”, parece soar com “ve”, mas na realidade é só a redução ou supressão do “i”. Já no português falado no Brasil, o i nesse caso é pronunciado normalmente. A única redução acontece no “o” da sílaba “nho”, que soa como “u”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.