Início Cultura Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

E lá vão as línguas emprestando e roubando alegremente. O que só lhes fica bem. Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis
Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis O que só lhes fica bem. Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

E lá vão as línguas emprestando e roubando alegremente.
O que só lhes fica bem. Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Por exemplo, segundo o Dicionário Houaiss (desenvolvi todas as abreviaturas do original; as datas são as das primeiras atestações):

Língua Portuguesa: 11 palavras que roubamos aos espanhóis
Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Ademane — «proveniente do castelhano ademán, este em espanhol de origem obscura […].»

Língua Portuguesa: 11 palavras que roubamos aos espanhóis
Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Botija — «espanhol botija, derivado do latim vulgar *butticŭla, diminutivo do baixo-latim bŭttis, is, divergente de botelha [“garrafa”] […].»

Língua Portuguesa: 11 palavras que roubamos aos espanhóis
Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Cabecilha — «espanhol cabecilha (1505) “chefe de rebeldes” […].»

Língua Portuguesa: 11 palavras que roubamos aos espanhóis
Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Castelhano — «latim castellānus, a, um “relativo a castelo ou praça forte, soldado da guarnição duma praça forte, proprietário dum terreno dentro dos limites duma praça fortificada”, plural “guarnição do castelo ou da praça forte, habitantes do castelo, triunfos concedidos pela tomada de um castelo ou praça forte”, por extensão “natural de Castela”; empréstimo do espanhol divergente de castelão […].»

Língua Portuguesa: 11 palavras que roubamos aos espanhóis
Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Cavalheiro — «latim tardio caballārius,ĭi, “palafreneiro, escudeiro”, pelo espanhol caballero (1076) […].»

Língua Portuguesa: 11 palavras que roubamos aos espanhóis
Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Flamenco («música e dança tradicionais da Anadaluzia») — «espanhol flamenco (a1348), do neerlandês flaming, “natural de Flandres”, depois entra em cruzamento com o nome da ave e da cor, difundindo-se no sXIX com a acepção andaluza de “aciganado, agitanado, de aspecto galhardo”.»

Língua Portuguesa: 11 palavras que roubamos aos espanhóis
Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Granizo — «espanhol granizo (1335) [“saraiva”], de grano “grão” […].»

Língua Portuguesa: 11 palavras que roubamos aos espanhóis
Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Guerrilha  — «espanhol guerrilla (1535) [“luta armada que recorre a incursões ofensivas, a{#c|}tos violentos e de surpresa”] […]; a forma ainda motiva a consciência de diminutivo (inclusive em espanhol).»

Língua Portuguesa: 11 palavras que roubamos aos espanhóis
Língua Portuguesa: 10 palavras que roubamos aos espanhóis

Hombridade — «espanhol hombredad, “qualidade, dignidade de ser homem”, derivado no espanhol de hombre (c950), “homem” […].»

Intentona — «espanhol intentona (fim do sXVII) [“conspiração para revolta ou motim”], de intento “intenção” + –ona, este, do latim intēntus,us […].»

Novilho — «espanhol novillo (noviello 1220, novillo 1343) [“boi novo”], de Nuevo “novo”, do latim novusaum […].»

As palavras de origem espanhola ou castelhana têm tradição antiga em português, como dizem Pilar Vázquez Cuesta e Maria Albertina Mendes da Luz (Gramática  da Língua Portuguesa, Lisboa, Edições 70, 1980, pág. 267):

«Quanto à influência espanhola, é às vezes difícil de determinar, dada a semelhança das duas línguas que faz que os vocábulos castelhanos não saltem à vista como estrangeirismos ou possam confundir-se com cultismos. Contudo, a intimidade de relações entre povos durante toda a Idade Média e a Idade Moderna permite-nos supor que tenha maior importância do que vulgarmente se crê.»

E lá vão as línguas emprestando e roubando alegremente.
O que só lhes fica bem.

Fonte: Ciberdúvidas
Autor: Carlos Rocha
_


OUTROS ARTIGOS QUE LHE PODEM INTERESSAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.