Início Histórias Lembra-se como foi a abertura do Amoreiras há 33 anos?

Lembra-se como foi a abertura do Amoreiras há 33 anos?

Ao Amoreiras chegava gente de todo o lado para andar nas escadas rolantes, comer hambúrgueres, deslizar carrinhos de supermercado... Era como entrar num palácio.

Lembra-se como foi a abertura do Amoreiras há 33 anos?
Lembra-se como foi a abertura do Amoreiras há 33 anos?

Lembra-se como foi a abertura do Amoreiras há 33 anos?

Em vez de paredes tinha janelas de vidro espelhado, escadas rolantes, restaurantes, supermercado. Era o lugar mais “trendy” de um país que entrava no maravilhoso mundo dos centros comerciais: o Amoreiras.

Vinha gente de todo o lado para andar nas escadas rolantes, comer hambúrgueres como nos filmes americanos, deslizar carrinhos de supermercado aos domingos à tarde sob aquela luz fria, envolto numa temperatura ambiente agradável e invariável. Era como entrar num palácio que só fechava à meia-noite e abria aos fins de semana. Dois andares de lojas hiper-modernas, restaurantes, supermercado, correios, bancos e até uma capela… para que os mais religiosos se redimissem do pecado do consumo.

Já não se vinha a Lisboa ver os Jerónimos nem a Torre de Belém. A partir de 27 de setembro de 1985, vinha-se a Lisboa para ver as três torres de Tomás Taveira, sob as quais nasceu o maior centro comercial do país e o quarto maior da Europa. Com ele nascia também um novo Portugal, moderno, cosmopolita. Os amanhãs cantantes da revolução de abril renasciam, dez anos depois. Afinal eram feitos de vidro espelhado, cores garridas, lojas de marcas internacionais e supermercados abertos ao domingo.

O centro comercial das Amoreiras representava um novo conceito de consumo designado “comércio integrado”. A premissa era a agregação de múltiplos tipos de comércio e serviços num mesmo espaço que funcionaria como uma pequena cidade sob um complexo de habitação e escritórios. Tomás Taveira pontificava com a sua arquitetura pós-modernista e desenhava três torres que simbolizavam uma dama a ser defendida por dois cavaleiros.

Nos anos seguintes muito se haveria de escrever sobre Taveira e o seu megalómano e arrojado projeto que ganhou o prémio de arquitetura Valmor 1993.

Pensado para atrair um público de classe média-alta, o Amoreiras foi o espaço escolhido para a estreia em Portugal de marcas como a Hugo Boss e a Guess. Abriu apenas um ano antes de Portugal entrar para a então CEE e durante a década de 90 continuou a ser o lugar mais trendy do país, até porque o Chiado tinha ardido e os pequenos centros comerciais de bairro, como o Imaviz ou o centro Comercial de Alvalade, não tinham dimensão para competir com aquelas torres a comandarem a sky line da capital.

Durante estes anos, o Amoreiras era o cenário escolhido para aparecerem as figuras públicas e para se fazerem diretos televisivos. Quem viveu nos anos 90 passou de certeza pelas lojas de culto que foram as Amarras, a Tafetá, a Strauss, a Labrador, a El Charro, a Triudus, a Charlot, a Materna, a Sempre em Festa, a Cenoura, a Bodum, a Yellow Cab, a Patanisca… Espaços de culto, lojas que marcaram o estilo dos lisboetas no final dos anos 80, início dos 90.

Em setembro de 1997 abria finalmente o grande concorrente — o Centro Comercial Colombo — e o país mergulhava na vertigem da Expo 98. Essa novidade, bem como a reabilitação do Chiado, fizeram com que o Amoreiras quisesse reforçar a sua identidade de coração alfacinha da cidade. Mas o ponto alto do trendy já não era ali e até as histórias do seu arquiteto se tornaram uma coisa de arquivo.

Com a inauguração do Colombo, o Amoreiras reforçou a ideia de estar no centro da capital alfacinha.

33 anos depois, o céu é o limite

Hoje o Amoreiras tornou-se um dos mais antigos centros comerciais em Portugal. As janelas a espelharem o céu e as escadas rolantes já não são novidade. Nestes 30 anos Portugal nasceu e morreu para uma existência de país rico.

Como explicou o engenheiro Nelson Leite, diretor geral do Amoreiras, ao longo destes 32 anos muita coisa foi modificada e reestruturada, e para o futuro próximo foram investidos 2,5 milhões de euros, entre a renovação da zona de alimentação e a decoração. Há hoje menos lojas mas todas elas muito maiores, novos projetos como os quiosques para tratamentos de beleza, as livrarias, as lojas de desporto, a sala de cinema francês. Nestas três décadas passadas Nelson Leite recusa que o Amoreiras tenha tido momentos “baixos” e prefere defender que o espaço “se consolidou com um núcleo de clientes habituais que fizeram dali o seu espaço de consumo de eleição”, independentemente de todos os espaços comerciais que entretanto nasceram em Lisboa.

Com uma taxa de ocupação de 100%, o centro continua a ter como público a classe média-alta (sobretudo feminina) e o espaço continua a ser o eleito para as flagship stores de marcas internacionais como a Hugo Boss e a BCBG.

A provar que a idade dá experiência e não inércia, o centro comercial resolveu abrir-se mais à luz de Lisboa. Começou a fazê-lo no recente food court, uma zona de alimentação que agora tem janelas para o exterior, design retro, 18 novos restaurantes e uma zona de eventos a ser dinamizada pelos Gin Lovers.

Como o céu é o limite, o Amoreiras abriu ao público o terraço da torre 1, que é assim o segundo miradouro mais alto da cidade. Os vidros espelhados dão lugar ao céu aberto, agora que são os turistas os principais consumidores deste espaço comercial.

E preparou-se um elevador destinado a oferecer uma vista de 360 graus sobre a cidade. Trinta e dois anos depois, quer-se chegar ao céu.

01

O complexo das Amoreiras desenhado pelo arquiteto Tomás Taveira e inaugurado em 1985 revitalizou a área que pouco mais era para além de uma estação de autocarros desativada. Venha daí viajar connosco ao passado.

02

Primeiros esboços do complexo de Tomás Taveira.

03

As três torres que para o arquiteto representam uma dama a ser defendida por dois cavaleiros.

04

Construção do complexo habitacional e comercial das Amoreiras, que ocupou “o local deixado vago pela demolição da Estação das Amoreiras, um dos (até então) três parques de manobras e resguardo dos elétricos de Lisboa, e dos autocarros explorados pela Carris”, segundo se lê no Plano de Pormenor da Câmara Municipal de Lisboa.

05

O Presidente da República Ramalho Eanes na inauguração da maqueta deste projeto que começou a ser pensado no final dos anos 70.

06

Visita do Presidente da República Ramalho Eanes às obras do centro comercial, acompanhado pelo arquiteto Tomás Taveira, num cássico e inesquecível fato branco.

07

Ramalho Eanes, o rosto e voz que marcavam o Portugal do início dos anos 80.

08

Inauguração do Centro Comercial a 27 de setembro de 1985.

09

Quando Portugal aprendeu a ir ao “shopping center”.

10

Tomás Taveira, o arquiteto que trouxe o conceito para Portugal e o defendeu com a frase “está tudo lá dentro”.

11

DR

Vista das torres no final dos anos 80. Vivia-se o XI Governo Constitucional comandado por Cavaco. As torres do Amoreiras ficaram inevitavelmente associadas ao período do cavaquismo.

12

Campanha de moda infantil no centro comercial, início dos anos 90.

13

A escadaria central do Amoreiras era frequentemente usada para desfiles de moda. Este é de 1992.

14

O centro foi pioneiro ao ter uma página personalizada na internet.

15

Desfile de moda nos anos 90, quando nos vestíamos na El Charro e nas Amarras.

16

No ano 2000, a atriz brasileira Malu Mader era escolhida para ser o rosto do Centro Comercial.

17

Making of da campanha publicitária com Malu Mader.

18

A Guess foi uma das marcas internacionais que abriu a sua primeira loja no Amoreiras.

19

O Natal sempre foi um momento alto da vida do centro. Desde um Pai Natal que desceu de helicóptero sobre o centro, em 1985, até ao presépio em movimento do século XXI.

20

A campanha publicitária do 13º aniversário parece hoje que terá uma eternidade mais improvável do que as polémicas torres de vidro.

21

Em 1997, nasce o centro comercial Colombo e o Amoreiras contrapõe com a ideia de ser o “coração alfacinha da cidade”.

22

Variação da campanha ou as diferentes formas de “usar”uma alface.

23

O super-pai alface para comemorar o Dia do Pai de 1998.

24

Presentes de Natal alface.

25

Piercing alface.

26

Romantismo alface.

27

Calçado alface.

28

Tatuar uma alface. Porque não?

29

© Ricardo de Almeida

Novo “food court” com design da autoria de Miguel Saraiva e Nini Andrade.

30

© Ricardo de Almeida

As janelas do centro eram as cozinhas dos restaurantes e foram agora destapadas para fazer entrar a luz de Lisboa.

Autora: Joana Emídio Marques
_

A sua opinião importa, gostou deste artigo ?

Clique nas Estrelas para classificar

Classificação média / 5. Numero de classificações:

Seja o primeiro a classificar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.