Início Cultura Expressões curiosas: origem e significado

Expressões curiosas: origem e significado

Cor de burro quando foge. Andar à toa. Onde judas perdeu as botas. Isto é a língua portuguesa. Conheça algumas expressões curiosas: origem e significado.

7339

_

Onde Judas perdeu as botas

Expressões curiosas: origem e significado
Expressões curiosas: origem e significado

Como todos sabem, depois de trair Jesus e receber 30 dinheiros, Judas caiu em depressão e culpa, acabando por se suicidar enforcando-se numa árvore.

Acontece que ele matou-se sem as botas. E os 30 dinheiros não foram encontrados com ele. Logo os soldados partiram em busca as botas de Judas, onde, provavelmente, estaria o dinheiro.

A história é omissa daí para frente. Nunca saberemos se acharam ou não as botas e o dinheiro. Mas a expressão atravessou vinte séculos. Atualmente, o ditado significa lugar distante, inacessível.

Andar à toa

Expressões curiosas: origem e significado
Expressões curiosas: origem e significado

Toa é a corda com que uma embarcação reboca a outra. Um navio que está “à toa” é o que não tem leme nem rumo, indo para onde o navio que o reboca determinar. Uma mulher à toa, por exemplo, é aquela que é comandada pelos outros.

Jorge Ferreira de Vasconcelos já escrevia, em 1619: Cuidou de levar à toa sua dama. Hoje, o ditado significa andar sem destino, despreocupado, passando o tempo.

Como sardinha em lata

Expressões curiosas: origem e significado
Expressões curiosas: origem e significado

A palavra sardinha vem do latim sardina. Designa o peixe abundante na Sardenha, conhecida região em Itália. É um alimento apreciado e nutritivo, de sabor bem peculiar.

As sardinhas, quando enlatadas em óleo ou noutro molho, vêm coladas umas às outras. Por analogia, usa-se a expressão popular sardinha em lata para designar a superlotação de veículos de transporte público.

Estar com a corda no pescoço

Expressões curiosas: origem e significado
Expressões curiosas: origem e significado

O enforcamento foi, e ainda é em alguns países, um meio de aplicação da pena de morte. A metáfora nasceu de amnistias ou comutações de pena chegadas à última hora, quando o condenado já estava prestes a ser executado e o carrasco já lhe tinha posto a corda no pescoço, situação que, de facto, é um sufoco. Hoje, o ditado significa estar ameaçado, sob pressão ou com problemas financeiros.

(cont.)

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.