Início Histórias Castelinho: Quem tem medo dos fantasmas do Estoril?

Castelinho: Quem tem medo dos fantasmas do Estoril?

Diz-se que há fantasmas em várias casas ao longo da linha de Cascais. E no Castelinho, as paredes contam muito mais do que histórias de terror...

_

As pessoas invisuais entram nas histórias de terror associadas a esta zona por via do Instituto Branco Rodrigues, que funcionou naquele prédio junto ao mar até aos anos 70. O terreno era de Florinda Leal, pessoa importante de São João do Estoril, que decidiu ceder o espaço a José Cândido Branco Rodrigues, tiflólogo.

A tiflologia é um palavrão complicado para definir o estudo das formas de ensino de pessoas cegas. Trocado por miúdos: Branco Rodrigues dedicou toda a vida a invisuais. Começou por fundar o instituto em Lisboa e depois levou-o para o Estoril. Foi ainda responsável por um jornal para cegos, uma escola especializada no Porto e pela introdução da escrita braille em Portugal.

Um ano antes da construção do Castelinho (já lá vamos), Branco Rodrigues morreu. Foi em 1926. No testamento, o tiflólogo deixou o instituto à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que ficou com a responsabilidade de manter as portas abertas. Para que não restassem dúvidas, aliás, isso mesmo foi escrito num Diário do Governo da época.

A Santa Casa manteve ali o instituto até aos anos 70 e depois mudou-o para a Parede, outra freguesia do concelho de Cascais, onde ainda hoje funciona o Lar Branco Rodrigues. O prédio junto ao mar ficou anos ao abandono e até chegou a arder parcialmente. Atualmente, está em obras. Vai ser um edifício de apartamentos.

O antigo edifício do Instituto Branco Rodrigues está a ser transformado num prédio de habitação. (Foto: Hugo Amaral/Observador)

I ain’t afraid of no ghosts

O mar e a baía de Cascais vistos do Castelinho

Quem se afasta de Lisboa pela Marginal, em direção a Cascais, é brindado por um conjunto de palacetes, chalets e mansões, que são testemunhas de uma época em que a realeza e a alta burguesia iam a banhos nas praias da linha e por lá ficavam. O Castelinho é um desses exemplos e não é o único sobre o qual pairam histórias de assombrações.

O hall de entrada do Castelinho

Quando esta moradia foi construída, em 1927, o estilo neogótico já estava a passar de moda. Ainda assim, o arquiteto original — cujo nome se desconhece –, talvez inspirado pela paisagem, decidiu apostar nas ameias de estilo medieval, nas janelas com arco em ogiva, nos varandins sobre o mar, nas guaritas, nas torres pontiagudas e arredondadas.

(cont.)

1 COMENTÁRIO

  1. No Verão passado, estacionei aí e vi que o restaurante Choupana Gordinni tinha fechado e que diversos gatos famélicos deambulavam perto da entrada… Que também andassem pelo Castelinho, que fica ao fundo do mesmo caminho, seria de todo natural.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.