Início Histórias Castelinho: Quem tem medo dos fantasmas do Estoril?

Castelinho: Quem tem medo dos fantasmas do Estoril?

Diz-se que há fantasmas em várias casas ao longo da linha de Cascais. E no Castelinho, as paredes contam muito mais do que histórias de terror...

_

Ao chegar, Castelo Branco terá visto uma menina a brincar com outras crianças junto à falésia e sentiu-se impelido a atirar-se ao mar. Não se atirou nem comprou a casa, que esteve abandonada durante muitos anos.

Junto ao Castelinho, ainda antes de vermos janelas a mexer-se misteriosamente, um homem estaciona, sai do carro e põe-se a olhar para o mar. Felizmente, parece não ter qualquer vontade de se atirar por ali abaixo.

Explica-nos que costuma fazer pesca submarina naquelas bandas e nunca ali viu fantasmas, só o entra e sai normal da vida dos vivos. Histórias de terror, aqui? “Isso é mito”, atira, sem sombra de dúvida na voz.

O Castelinho é de estilo neomedieval e está repleto de ameias, janelas ogivais e motivos góticos (Foto: Hugo Amaral/Observador)

Eis mais uma versão da história, também corrente entre estorilenses e cascalenses: a menina que caiu ao mar era cega e não morava no Castelinho, mas numa outra casa mais afastada.

Ainda segundo a lenda, os pais, em homenagem à filha desaparecida, teriam dado o imóvel a um instituto de apoio a cegos.

Por estes penhascos costumam espalhar-se pescadores domingueiros (Foto: Hugo Amaral/Observador)

A casa do tiflólogo

Lá está a realidade a estragar uma boa história. A pouco mais de meia centena de passos do Castelinho existe uma casa bastante mais simples, sem ameias nem janelas neogóticas. Ali funcionou, de facto, um centro de apoio a pessoas cegas, mas a lenda descarrila na parte sobre terem sido os pais da menina a deixar a casa para esse fim.

Não é verdade. O terreno esteve vazio até 1913, altura em que se construiu, propositadamente, um edifício para albergar o Instituto de Cegos Branco Rodrigues. O Castelinho só viria a existir 14 anos depois.

(cont.)

1 COMENTÁRIO

  1. No Verão passado, estacionei aí e vi que o restaurante Choupana Gordinni tinha fechado e que diversos gatos famélicos deambulavam perto da entrada… Que também andassem pelo Castelinho, que fica ao fundo do mesmo caminho, seria de todo natural.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.