Início Cultura Fotografia YOLOCAUST. A crítica a quem se ri no memorial da morte nazi

YOLOCAUST. A crítica a quem se ri no memorial da morte nazi

Shahak considera "muito desrespeitosa" a forma como alguns turistas se comportam nos memoriais ao Holocausto. Assim nasceu "YOLOCAUST".

936
YOLOCAUST. A crítica a quem se ri no memorial da morte nazi
YOLOCAUST. A crítica a quem se ri no memorial da morte nazi

YOLOCAUST. A crítica a quem se ri no memorial da morte nazi

“Eu vi nos últimos anos um fenómeno interessante no Memorial do Holocausto: muitas pessoas usam o monumento como pano de fundo para suas fotos de perfil no Facebook, Instagram, Tinder ou Grindr. Eu peguei nessas selfies e combinei com imagens de campos de concentração.”

É assim que Shahak Shapira, o israelita que mora em Berlim, na Alemanha, descreve o Yolocaust, projeto lançando por ele para questionar o comportamento das pessoas no lugar conhecido também como Memorial dos Judeus Mortos na Europa, aberto ao público desde 2012.

“YOLOCAUST” é um projeto do ilustrador satírico Shahak Shapira que mistura as fotografias tiradas pelos turistas no Memorial aos Judeus Mortos da Europa com as imagens históricas dos campos de exterminação nazi.

Estima-se que esse memorial em Berlim receba cerca de 10 mil pessoas por dia, mas a maior parte costuma captar fotos animadas – aos saltos, com bicicletas ou a rir-se com os amigos – entre os 2.711 blocos de cimento espalhados pela infraestrutura com 19 mil metros quadrados.

Shahak Shapira vê com estranheza que os turistas se comportem deste modo num lugar que simboliza a morte de 6 milhões de judeus em câmaras de gás ou vítimas das torturas a que foram sujeitos pelos soldados ao comando de Adolf Hitler.

No site onde está a colocar as montagens, o ilustrador israelita ressalva que “nenhum evento histórico se compara ao Holocausto” e que “nós é que sabemos como nos devemos comportar num memorial que marca a morte de tanta gente”. Ainda assim, “a forma como algumas pessoas se comportam é bastante desrespeitosa.

Mas as vítimas estão mortas, por isso provavelmente estão mais ocupadas a fazer as coisas que os mortos fazem do que a preocuparem-se com isso”, brinca.

Todas as imagens usadas por Shahak Shapira estavam disponíveis em redes sociais como Facebook, Instagram, Tinder ou Grindr. Qualquer pessoa “apanhada” pela sátira do ilustrador pode pedir para que a imagem seja retirada: basta enviar um email para “undouche.me@yolocaust.de”. Um pormenor: “undouche me” significa algo como “desidiota-me”.

Mostramos a falta de sensibilidade de algumas pessoas. Veja as imagens:

“Em Memorial ao Holocausto em Berlim”

YOLOCAUST/ Shahak Shapira

A montagem

YOLOCAUST/ Shahak Shapira

“Em Memorial ao Holocausto em Berlim”

YOLOCAUST/ Shahak Shapira

A montagem

YOLOCAUST/ Shahak Shapira

(cont.)

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.