Santo Lenho: no Alentejo fazem-se exorcismos em frente a um pedaço original da cruz de Cristo

A tradição afirma tratar-se de um pedaço original da Cruz de Cristo e os fiéis acreditam que tem o poder de ajudar a fazer exorcismos.

0
3394
Santo Lenho de Vera Cruz
Santo Lenho de Vera Cruz

Vera Cruz (de Marmelar), povoação situada a cerca de 10 quilómetros de Portel, sede de concelho, é local de peregrinação. Um pequeno fragmento de madeira que se crê ter pertencido à cruz de Cristo, e que se encontra embutido num relicário, atrai à pequena aldeia de casas baixas e brancas inúmeros crentes e curiosos oriundos de todos os pontos do País.

De entre todas as relíquias, a mais venerada é sem dúvida a do Santo Lenho, a da Cruz em que Jesus foi crucificado. Descoberta no século IV, em Jerusalém no monte Calvário, por Santa Helena, mãe do imperador Constantino I, foi repartida entre o Oriente e o Ocidente e distribuída ao longo dos séculos em pequeníssimos fragmentos por toda a Cristandade.

Chegam, na sua maioria, à procura de alívio “para os seus tormentos espirituais”. Diz-se que a relíquia do Santo Lenho, que era destinada à Sé de Évora, terá sido trazida da Palestina por frei Afonso Pires Farinha, numa das suas várias peregrinações.

Entre meados e finais dos anos 80 do século passado, a GIFI – Associação Portuguesa para a Investigação realizou “uma investigação de razoável envergadura” acerca da prática de exorcismos em Vera Cruz, na sequência de uma notícia sobre a matéria publicada num jornal diário nacional. Segundo a referida associação, “à data da investigação os exorcismos eram totalmente públicos, o que permitia o acesso a jornalistas e investigadores”. “É um facto que não se assistiu a qualquer fenómeno qualificável como insólito, pelo que fica essencialmente o registo de um facto sócio religioso muito perturbante”, concluiria a GIFI após quase três anos de investigação.

D. João Peres de Aboim, homem de confiança do rei D. Afonso III, terá doado, em 1258, “o mosteiro de Marmelar com todas as suas pertenças e possessões à Ordem de São João de Jerusalém ou do Hospital, na figura de frei Afonso Pires Farinha”. De acordo com informação disponibilizada na igreja do Santo Lenho, essa “doação destinava-se à fundação de um novo estabelecimento monástico, que garantiria a presença de uma ordem militar no território que lhe havia sido concedido pelo concelho de Évora e que veio a constituir o senhorio de Portel, génese do actual município”.

O mosteiro hospitalário de Marmelar “tornou-se uma das comendas mais importantes que a Ordem do Hospital, designada de Malta a partir de 1530, teve em Portugal”. A designação de Vera Cruz terá surgido a partir do reinado de D. Afonso IV, e “está aparentemente relacionada com o facto de ter sido a relíquia do Santo Lenho que se guarda e ainda hoje se cultua nesta igreja”.

Veja a reportagem sobre o Santo Lenho de Vera Cruz:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here