Início Cultura Palavrões portugueses em bocas galegas

Palavrões portugueses em bocas galegas

Sim, os palavrões vêm do tempo em que portugueses e galegos ainda viviam no mesmo território e compreendiam perfeitamente as palavras uns dos outros.

1520
COMPARTILHE
Palavrões portugueses em bocas galegas
Palavrões portugueses em bocas galegas

Palavrões portugueses em bocas galegas

Palavrões portugueses em bocas galegas
Marco Neves
Aviso: esta crónica contém palavrões e transcrições fonéticas.

Um palavrão galego na Volta a Portugal

Sabe o leitor quem é David Blanco?

Ora, meu caro leitor, ponha lá na cabeça a musiquinha da “Volta a Portugal” — aviso já que é melodia para ficar a martelar o cérebro o dia todo. Toca a pedalar!

David Blanco é o galego que venceu cinco edições da Volta a Portugal em Bicicleta.

Houve pela RTP muita entrevista em que os jornalistas se afadigavam a entrevistar o David em portunhol — e o galego fazia-lhes a desfeita de responder em galego.

Confesso agora: tinha pensado encontrar um vídeo de uma dessas entrevistas em que o jornalista tenta falar espanhol com um galego que responde em galego. Só que me saiu o tiro pela culatra. O único vídeo que encontrei foi um vídeo que não posso passar aqui — mas garanto que o jornalista não se confundiu: aquilo que David disse não era castelhano…

Hesito. Se calhar até passo o vídeo…

Enfim, peço ao leitor mais cioso da pureza dos seus ouvidos que salte à frente. Ou então mude de crónica — há aqui umas notícias e uns textos ao lado bem interessantes.

Ficou? Foi avisado! Não se queixe, por favor.

Cá vai, então. Oiça esta entrevista de David Blanco:
_

_
Os portugueses entrevistam-no — vá lá que não tentam afogar-se no espanhol — e ele responde sem papas na língua.

Repare no fim da entrevista:

— E amanhã como vai ser?

— Como vai ser? Apertar um [CENSURADO] contra o outro e dar-lhe duro…

O riso do jornalista não teve língua.

Note-se que ele não disse as palavras exactamente como nós diríamos em Portugal. Disse «apretar», por exemplo. A própria expressão «dar-lhe duro» tem o seu quê de estranho.

Ah, mas o palavrão… O palavrão é bem nosso!

Aliás, ouvi várias vezes (as coisas que um cronista faz…) e, aos meus ouvidos, Blanco diz a palavra precisamente como nós.

Como transcrever um palavrão?

Eis agora uma estreia! Uma análise fonética… dum palavrão! É verdade que o Alfabeto Fonético Internacional não costuma aparecer em crónicas deste tipo, mas também é verdade que esta análise em particular dificilmente vai parar às páginas dum livro de linguística…

Aqui fica a transcrição daquela palavra na boca do David e ainda no português de Lisboa e do Rio de Janeiro, para comparação (as duas últimas fui buscá-las ao Portal da Língua Portuguesa):

Palavrões portugueses em bocas galegas
transcrição

Bem, à parte a fonética, pergunto ao leitor: um ciclista português diria isto na televisão ou na rádio? Provavelmente, não. O Cristiano Ronaldo disse «Se perdermos, que saf*da!», mas não sabia que estava a ser gravado.

Ora, os galegos… Como hei-de dizer isto?

(cont.)

1
2
COMPARTILHE

5 COMENTÁRIOS

  1. Sou minhota e sempre ouvi “palavraos”, em casa ou na rua, mas ate á idade adulta nao os podemos dizer na escola nem em casa. Isto vem de geraçao em geraçao. Mas sempre que passava a fronteira ( Ourense, galiza) com os meus avós ou pais eles mesmo ficavam surpreendidos com a ” agressividade” e quantidade de palavroes dos galegos. Para eles galegos e normal, palavras com ” ostia” ou palavroes que melhor nao dizer 🙂

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here