Os 11 livros mais polémicos de todos os tempos

Abalaram consciências, afrontaram a moral e o poder dominante a alguns mudaram o mundo. Descubra os 11 livros mais polémicos de todos os tempos.

0
3215
Os livros mais polémicos de todos os tempos
Os livros mais polémicos de todos os tempos

Eles desafiaram as teorias e crenças da época. Eles tocaram em assuntos que sempre geram discussões: religião, ciências, política. Alguns até mesmo atentaram contra o que era considerada a moral e os bons costumes da sociedade em que foram publicados. Eles causaram burburinhos e muita polémica. Descubra os 11 livros mais polémicos da de todos os tempos.

O primeiro da lista é o livro mais vendido e traduzido do mundo, a Bíblia. Durante séculos, fiéis, cientistas, pesquisadores e leitores levantam dúvidas sobre sua autoria, datas e conteúdo. Duplas interpretações e incertezas giram em torno de todo o livro, sobretudo, em assuntos como a criação divina e o apocalipse.

Desafiando a religião e contrariando a própria Bíblia, outro livro causador de grandes polémicas foi A Origem das Espécies, de Charles Darwin. Ao apresentar a Teoria da Evolução que, dentre outros preceitos, afirma que o homem descenderia dos macacos, Darwin também abordou a luta pela sobrevivência das espécies e a selecção natural, causando extremo furor social.

Conheça outros livros que também geraram polémica:

Sarah – J. T. Leroy

Narra a história de Cherry Vanilla, um garoto de 12 anos que deseja virar uma mulher famosa. Em 2006, descobriu-se que J. T. Leroy não era um homem e sim um pseudónimo para uma ex-operadora de telesexo e verdadeira autora do livro.

Deus, um Delírio – Richard Dawkins

O autor, um biólogo, expõe argumentos para provar que Deus não existe e coloca a religião como principal causa de males modernos como guerras e intolerância. A discussão entre religiosos e ateus gerou dezenas de artigos e livros contrários às ideias de Dawkins.

Versos Satânicos – Salman Rushdie

A obra que narra a história de dois muçulmanos que sobrevivem a um atentado à bomba é recheada de ironias e críticas ao Alcorão e ao islamismo. O livro levou líderes religiosos a oferecem US$6 milhões de recompensa pela morte de Rushdie que se manteve durante anos em anonimato.

Lolita – Vladimir Nabokov

O livro conta a história de Humbert Humbert, um professor quarentão que se apaixona por sua enteada de 12 anos. Lolita foi durante muito tempo considerada uma obra pornográfica e que atenta contra os bons costumes.

Madame Bovary – Gustave Flaubert

Carente de aventuras, Madame Bovary comete adultério e entrega-se ao consumismo desenfreado. Por fazer críticas ao clero e à burguesia, o romance causou polémica e Flaubert foi levado a julgamento por ofender a moral e a religião.

A Interpretação dos Sonhos – Sigmund Freud

Ao afirmar em sua obra que os sonhos eram projecções do inconsciente, Freud contrariou as teorias da época que acreditavam que os sonhos não eram inteligíveis. As interpretações sexuais dadas a alguns sonhos foi o que causou maior escândalo na época.

Os 120 Dias de Sodoma – Marquês de Sade

A violência neste livro foi a forma que o autor encontrou para afrontar a Igreja, a família e o Estado em sua época. A obra conta com cenas de incesto, tortura, orgias e assassinato. Não foi à toa que o sobrenome do autor deu origem ao termo “sadismo”. Marquês de Sade foi preso diversas vezes por seu comportamento e acabou por falecer num hospício.

Mein Kampf – Adolf Hitler

Escrito durante a prisão de Hitler, a obra expressa as ideias antissemitas e racistas do ditador que culminaram no movimento nazi. Nas suas páginas, Hitler persuadia os alemães a combater os judeus.

Acerca do Infinito, do Universo e dos Mundos – Giordano Bruno 

Escrito por Giordano Bruno, o livro baseia-se na teoria de Copérnico de que a Terra não é o centro do Universo, mas o sol. Por ser considerado um herege, Giordano Bruno acabou por ser queimado vivo, em Roma, em 17 de Fevereiro de 1600.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here