Início Lugares Destinos Ondas Gigantes na Nazaré: como se formam?

Ondas Gigantes na Nazaré: como se formam?

O fenómeno das ondas gigantes na Nazaré numa perspetiva científica, mas com o objetivo de elucidar o público em geral numa linguagem acessível. (vídeo)

3775
COMPARTILHE
Ondas Gigantes na Nazaré: como se formam? (Fotografia ©Jorge Santos | Photography)

_

_
Vídeo de: Instituto Hidrográfico – .Marinha, Portugal

Ondas Gigantes na Nazaré: como se formam?

A ondulação do largo que chega à zona costeira propaga-se mais rápido sobre o Canhão da Nazaré, onde a água é mais profunda, do que na plataforma continental adjacente, onde a água é relativamente pouco profunda.

Esta diferença na propagação da onda, dependendo da profundidade sobre a qual ela se move, modifica a orientação das linhas de cristas e cavas (dizemos que a onda é refratada pela topografia, tal como os raios de luz são refratados quando passam do ar para a água), criando zonas onde a onda converge.

Esta convergência focaliza a energia da onda o que se traduz-se numa amplificação da onda. Este processo parece ser particularmente eficaz na zona ao largo da Praia do Norte, durante os períodos de ondulação (swell) predominante de Noroeste ou de Oeste, e em algumas simulações efetuadas, recorrendo a modelos numéricos, sugeriram que uma onda ao largo com 10m de altura pode ser amplificada por este processo, atingindo cerca de 20m na área da Praia Norte.

Este processo é comum em outros canhões submarinos mas o que parece tornar a Nazaré especial é o facto de a orientação deste canhão e o modo como ele interseta a linha de costa permitirem que ele modifique as correntes que a própria ondulação cria junto à costa, fazendo com que em certos períodos se desenvolva uma corrente forte que se opõe às ondas.

(Fotografia ©MDig)

Em poucas palavras, os canhões submarinos como o Canhão da Nazaré, modificam o modo como a ondulação se propaga, permitindo a existência de zonas na proximidade do canhão onde a onda converge e se amplifica.

(Fotografia ©MDig)

Ao largo da Praia do Norte, este processo parece ser reforçado por correntes costeiras que se opõem às ondas e pela diminuição rápida do fundo que a onda sente ao passar do canhão para a plataforma próxima.

(cont.)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here