Início Histórias O Natal encantado lisboeta no século passado (31 fotos)

O Natal encantado lisboeta no século passado (31 fotos)

Vendiam-se perus na rua, o Coliseu abria o Circo e as ruas já brilhavam com as luzes de Natal. Veja 31 fotos antigas do Natal encantado lisboeta.

1774
O Natal encantado lisboeta no século passado (31 fotos)
O Natal encantado lisboeta no século passado (31 fotos)

O Natal encantado lisboeta no século passado (31 fotos)

Vendiam-se perus na rua, o Coliseu abria o Circo, descarregavam-se brinquedos para a Quermesse de Paris. E as ruas já brilhavam com as luzes de Natal.

Quando as luzes coloridas daquelas duas casas na encosta junto ao Convento de S. Francisco se acendiam à janela, Alexandra Roldão sabia que o Natal já tinha chegado. Criada em Alenquer, Alexandra recorda no blogue “Alenquerensis” que esse era o sinal para se preparar para a típica visita a Lisboa: acompanhada pelos pais, apanhava o autocarro muito cedo para Vila Franca de Xira e daí seguia para a capital de comboio.

Assistia a uma peça de teatro, almoçava num restaurante e depois chegava a melhor parte do dia: espreitar as montras repletas de brinquedos da Casa Bénard, da Quermesse de Paris ou da Casa Pinóquio. Quando o sol se punha, as ruas ganhavam outras cores: eram as luzes de Natal que já então invadiam a cidade.

Em 1963, importando a tradição vinda do século XVII norte-americano, os homens do campo tomavam conta das ruas lisboetas onde vendiam os perus para a ceia de Natal. A Sapataria Lord, na rua Augusta, preparava um montra luxuosa a combinar com a quadra e o Coliseu dos Recreios abria portas ao Circo de Natal, um espetáculo que sobreviveu até à atualidade, celebrando este ano 123 anos.

Em 1965, havia dois espetáculos à tarde — uma sessão às 14h30 e outra às 17h15 — e a entrada era gratuita para as crianças entre 6 e 10 anos. O Grandioso Espetáculo, no entanto, era a grande atração: acontecia na véspera de Natal às 21h30 e só podiam entrar pessoas com mais de 6 anos.

Toda a cidade mergulhava no espírito natalício: a pastelaria Cinderela avisava os clientes para encomendarem os bolos-rei com antecedência porque as filas seriam grandes, a rua 1º de Dezembro enchia-se de brinquedos para a Quermesse de Paris e o Largo de São Roque ficava intransponível com tanta gente esperançosa de ter ganho a Lotaria de Natal.

Se os brinquedos de plástico enchiam o imaginário das crianças, os prémios faziam brilhar os olhos dos adultos. E havia muitos: o Cabaz de Natal prometia televisões, aspiradores, ferros de engomar e outros eletrodomésticos ponta de gama e a Eva de Natal incluía mil presentes, desde moradias completamente mobiladas a perfumes, como recorda o site Restos de Colecção.

Para aquelas cujas carteiras não acompanhavam as grandes lojas do Chiado, os vendedores ambulantes montavam bancas na Praça da Figueira, no Largo de Camões e no Rato. Alexandra Roldão lembra-se que, a 24 de dezembro, o Diário de Lisboa publicou que “o Natal é a época dos meninos que, felizes, escolhem dentro das lojas os brinquedos que vão possuir e dos meninos que de fora, nariz esborrachado contra o frio dos vidros das montras, olham os brinquedos que nunca terão”.

Recorde como é que a capital portuguesa se transformava para o Natal no século passado.

O trânsito na época de Natal em 1957 junto à Companhia de Seguros Confiança.

Os carros estacionados na Avenida Guerra Junqueiro em 1959.

(cont.)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.