Início Lugares Calçada Portuguesa vai candidatar-se a Património da Humanidade

Calçada Portuguesa vai candidatar-se a Património da Humanidade

A Calçada Portuguesa vai candidatar-se a Património da Humanidade. Marca típica da portugalidade, está espalhada pelas ruas do nosso país e também além mares.

2251
COMPARTILHE
Calçada Portuguesa

_
A Câmara de Lisboa foi integrada na Associação Calçada Portuguesa, que reúne entidades públicas e privadas. O próximo passo é a candidatura a Património Imaterial da Humanidade.

Por uma votação unânime, a Assembleia Municipal de Lisboa aprovou a entrada do Município de Lisboa na Associação Calçada Portuguesa, que fazem ainda parte a Associação Portuguesa dos Industriais de Mármores, Granitos e Ramos Afins (ASSIMAGRA), a União das Cidades Capitais Luso-Afro-Américo-Asiáticas (UCCLA) e o Grupo Português da Associação Internacional para a Protecção da Propriedade Intelectual (AIPPI).

Calçada Portuguesa

Agora, relata a TimeOut, que avança com a notícia, a associação irá preparar a candidatura da calçada portuguesa a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO. Conseguindo-o, a calçada portuguesa juntar-se-ia com o fado, mais um património da Humanidade com raiz alfacinha, uma vez que a calçada artística portuguesa nasceu na capital portuguesa. A nova candidatura vai elevar para três as pretensões de Lisboa na UNESCO, juntando-se a ‘Lisboa Histórica, Cidade Global e a ‘Lisboa Pombalina”.

Calçada Portuguesa

A Calçada Portuguesa

Apesar de os pavimentos calcetados terem surgido no reino por volta de 1500, a calçada à portuguesa, tal como a entendemos hoje, foi iniciada em meados do séc. XIX. A chamada calçada à portuguesa, em calcário branco e negro, caracteriza-se pela forma irregular de aplicação das pedras.

Calçada Portuguesa
Calçada Portuguesa

Todavia, o tipo de aplicação mais utilizado hoje, desde meados do séc. XX, designado por calçada portuguesa, é aplicado com cubos, e tem um enquadramento diagonal. Calçada à portuguesa, e calçada portuguesa são coisas distintas. A calçada começou em Portugal de forma diferente da que hoje é, mais desordenada. São as cartas régias de 20 de Agosto de 1498 e de 8 de Maio de 1500, assinadas pelo rei D. Manuel I de Portugal, que marcam o início do calcetamento das ruas de Lisboa, mais notavelmente o da Rua Nova dos Mercadores (antes Rua Nova dos Ferros).

Calçada Portuguesa
Calçada Portuguesa

Nessa época, foi determinado que o material a utilizar deveria ser o granito da região do Porto, que, pelo transporte implicado, tornou a obra muito dispendiosa. O objetivo seria que a Ganga, um rinoceronte branco, ricamente ornamentada, não sujasse de lama com o calcar das suas pesadas patas, o numeroso e longo cortejo, com figurantes aparatosamente engalanados com as novas riquezas e adornos vindas do oriente, que saía à rua em pleno inverno, aquando do seu aniversário a 21 de Janeiro.

Lisboa
Lisboa

A comitiva ficava manifestamente suja, daí a decisão de calcetar as ruas do percurso como forma de dar resposta ao problema. Sendo a única vez no ano em que o rei se mostrava à população vem daí a expressão: Quando o rei faz anos… O terramoto de 1755, a consequente destruição e reconstrução da cidade lisboeta, em moldes racionais mas de custos contidos, tornou a calçada algo improvável à época.

Contudo, já no século seguinte, foi feita em Lisboa no ano de 1842, uma calçada calcária, muito mais próxima da que hoje mais conhecemos e continua a ser utilizada. O trabalho foi realizado por presidiários (chamados “grilhetas” na época), a mando do Governador de armas do Castelo de São Jorge, o tenente-general Eusébio Pinheiro Furtado.

Calçada Portuguesa
Calçada Portuguesa

O desenho utilizado nesse pavimento foi de um traçado simples (tipo zig-zag) mas, para a época, a obra foi de certa forma insólita, tendo motivado cronistas portugueses a escrever sobre o assunto. Em O Arco de Sant’Ana, romance de Almeida Garrett, também essa calçada na encosta do mesmo castelo seria referida, tal como em Cristalizações, poema de Cesário Verde.

_

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here