Início Cultura Língua Portuguesa 90 palavras da língua portuguesa que você (quase de certeza) não conhece

90 palavras da língua portuguesa que você (quase de certeza) não conhece

Pensa que sabe tudo sobre o idioma que fala? Descubra 90 palavras da língua portuguesa que você (quase de certeza) não conhece.

86025
COMPARTILHE
Fernando Pessoa

Está preparado para sentir alguma frustração quando perceber que não conhece muitas das palavras que lhe apresentamos? Confira se conhece ou não conhece as palavras da lista e, no final, comente o seu resultado e divirtas-se a constatar que, afinal, você não é o único a desconhecer a grande maioria destas palavras da língua portuguesa.

Aceiro – 1. Relativo ao aço ou que tem as propriedades do aço. 2. Forte, agudo, penetrante. 3. Operário que trabalha em aço.

Adentado – Mordido.

Admistão – Acto de ajuntar, misturando.

Aprestos – Materiais necessários para fazer alguma coisa.

Asseidade – Religião. Atributo divino fundamental, que consiste em existir por si próprio.

Asnidade – Ignorância.

Assetado – Ferido ou morto com instrumento de incisão.

Atoarda – Notícia vaga; balela, boato.

Atuado – Aquele cujo procedimento foge ao comum, ao esperado.

Babiaque – Nome comercial da casca da árvore-da-goma-arábica.

Bricolagem – Combinação de elementos extraídos de obras distintas.

Carraspana – Bebedeira.

Cércea – Aparelho, nas estações de estrada de ferro, que determina o máximo volume que a carga de um trem pode atingir.

Chapim – 1. Calçado de sola grossa, para mulheres. 2. Sapatinho elegante.

Cioso – 1. Que tem ciúme; ciumento. 2. Zeloso, cuidadoso. 3. Interessado em virtude de afeição extrema.

Colédoco – Canal pelo qual a bílis se derrama no intestino.

Custódio – Aquele que guarda, defende ou protege.

Codesso – Arbusto ornamental que fornece madeira castanho-esverdeada, própria para marcenaria de luxo, e tem propriedades melíferas.

Coreuta – Cada um dos membros do coro, no teatro clássico; corista.

Corifeu – Mestre do coro, na tragédia e comédia antigas, o qual exercia a função de principal representante do povo e de intermediário entre os coreutas e as personagens principais.

Desamar – Perder a afeição a alguém.

Desapuro – Falta de cuidado ou esmero.

Descalabro – 1. Grande dano ou perda; ruína. 2. Desgraça, derrota

Dessiso – Falta de juízo, de bom senso, de siso.

Eclampse – Grave doença convulsiva que se manifesta nas mulheres grávidas.

Ecmnesia – (Medicina) Esquecimento de todos os fatos ocorridos de certa época em diante.

Epistase – (Medicina) Interrupção de secreções ou excreções, como as do sangue, por exemplo.

Espaventado – Assustado, espantado.

Estacada – Lugar fechado para brigas e torneios.

Exaurir – Desgastar lentamente as próprias reservas físicas ou económicas.

Gematria – Sistema criptográfico que consiste em atribuir valores numéricos às letras.

Glosar – 1. Comentar, anotar, explicar. 2. Censurar, criticar. 3. Suprimir ou anular (parte de conta ou orçamento). 4. Desenvolver um verso (um mote).

Guapo – (RS) 1. Animoso, corajoso, ousado, valente. 2. Muito bonito, elegante.

Humifuso – Que se dispõe sobre o solo, rasteiro.

Humílimo – Diz-se de quem é extremamente simples, modesto.

Igarité – Canoa amazônica de grande porte, com toldo.

Isabel – Cavalo de cor branco-amarelada.

Improbo – Árduo, exaustivo.

Ínsua – Pequena ilha formada por algum rio.

Intensar – Intensificar-se.

Lacónico – Conciso no falar ou no escrever.

Lerna – Grande depressão na terra.

Lunático – Diz-se daquele homem volúvel, inconstante, nervoso.

Menorá – 1. Candelabro sagrado, com sete braços, um dos símbolos do antigo templo judeu de Jerusalém. 2. Candelabro com variável número de braços, usado principalmente no serviço religioso do judaísmo.

Merca – Aquilo que se compra.

Mesmamente – Sem nenhuma alteração.

Mote – Tema, assunto.

Nacela – Espécie de cesta ou barca, na parte inferior de um aeróstato ou de um balão, destinada a tripulantes e passageiros.

Necator – (Zoologia) Verme parasito de homens e de animais.

Netsuquê – Pequeno objecto esculpido em madeira ou marfim, ou trabalhado em metal, e atravessado por orifícios, usado pelos japoneses como adorno para prender uma pequena bolsa ou sacola à faixa do quimono.

Obvenção – Provento, receita ou lucro eventual. Antigo tributo que se pagava aos eclesiásticos pela sua manutenção.

Ossatura – Esqueleto.

Otimates – Cidadãos influentes, poderosos por nobreza ou dinheiro.

Pasigrafia – 1. Sistema de escrita que pode ser compreendido por leitores de diferentes línguas nativas, como no caso de línguas internacionais que fazem uso de notação musical ou de símbolos matemáticos. 2. Qualquer língua escrita artificial que pode ser entendida internacionalmente.

Pegadilha – Discussão acalorada, alteração.

Pelegrine – Capa longa.

Pengó – 1. Tolo. 2. Sujeito mal vestido. 3. Coxo.

Pérvio – Que dá passagem; transitável, franco, patente.

Pingadeira – 1. Negócio que vai rendendo sempre aos poucos. 2. Despesa continuada.

Psichê – 1. Grande espelho móvel e inclinável montado numa armação. 2. Móvel de toucador, com grandes espelhos e muitas gavetas.

Rebombar – Ressoar fortemente.

Recepisse – Escrito em que se declara ter recebido papéis, documentos, dinheiro, etc.

Rechaçar – Fazer retroceder, opondo resistência; repelir; rebater.

Reproche – Censura.

Rumorejo – Ruído brando e confuso.

Safo – Desembaraçado.

Sanguino – Que causa a morte ou efusão de sangue. Cor tirante a vermelho.

Senescente – Aquilo que vai envelhecendo.

Sextante – Arco de sessenta graus.

Sicário – Assassino pago para cometer todo tipo de crimes. Matador profissional.

Socancra – Diz-se de pessoa que faz as coisas de maneira oculta e silenciosamente. Diz-se também de pessoas sonsas. Isto é, pessoas que dizem que não sabem, mas sabem.

Surtar – Entrar em crise psicótica.

Taifa – Designação comum ao pessoal subalterno das especialidades de cozinheiro, barbeiro, padeiro e arrumador (copeiro, camaroteiro, etc.).

Tonsura – Corte circular, rente do cabelo, na parte mais alta e posterior da cabeça, que se faz nos clérigos; cercilho, coroa.

Ubertoso – Fértil, fecundo.

Urbígena – Pessoa que nasceu na cidade em relação à pessoa que chega à cidade.

Undívago – Aquilo que vaga sobre as ondas; flutívago.

Voejo – Pó que se levanta da farinha quando ela é agitada.

COMPARTILHE

6 COMENTÁRIOS

  1. Ecmnésia existe e está bem escrita. Agora o fato da definição é que não existe mesmo… Nesse caso seria esquecido apenas o vestuário… O “c” de facto lê-se. Portanto, neste contexto deveria escrever-se facto, que não foi alterado na nova cracis

  2. Aceiro = Faixa de terra mantida limpa e sem vegetacão para evitar a propagacão de queimadas, incendios florestais ( desculpem a falta de acentos, teclado não formatado para o portugues)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here