Início Histórias 7 gestos românticos do século passado

7 gestos românticos do século passado

Os namorados trocavam bilhetinhos, falavam horas ao telefone (fixo) e dedicavam músicas na rádio. Relembre alguns dos gestos românticos do século XX.

553
7 gestos românticos do século passado
7 gestos românticos do século passado

7 gestos românticos do século passado

Não é preciso recuarmos até ao tempo em que as meninas namoravam à janela e os rapazes lhes dedicavam serenatas.

No último terço do século passado, aqui tão perto, os namorados gozavam já de uma maior liberdade de movimentos, mas a forma como partilhavam o seu amor, aos olhos de hoje, mantinha uma enorme candura.

Aqui ficam alguns desses gestos inocentes dos apaixonados de antigamente.

Encher cadernos com os cromos da coleção “Amor É”

O casal de Amor É, ele de cabelo preto e ela de cabelo louro, eram quase sempre representados nus mas sem sexo à vista.
O casal de Amor É, ele de cabelo preto e ela de cabelo louro, eram quase sempre representados nus mas sem sexo à vista.

A neozelandesa Kim Corne começou por fazer estes desenhos como recados de amor que deixava ao seu futuro marido, Roberto Casali, nos sítios mais inesperados.

A série “Love Is…” ganhou depois vida em livros e em tiras de BD nos jornais, rendendo milhões à sua criadora. Em Portugal surgiu nos anos 70, em forma de caderneta de cromos, cartões e papel de carta. E os cromos iam com frequência parar à capa dos cadernos e dossiês das meninas apaixonadas.

Cantarolar a canção “Quando o Coração Chora”

A canção portuguesa mais ouvida em 1983 foi um dos presentes de eleição entre namorados nesse ano, com mais de 100 mil discos vendidos.

Imitando a voz do tenor Carlos Guilherme, aqui acompanhado por Júlia Gonçalves (o duo Romeu & Julieta), todos cantávamos “Quando o Coração Chora de Amor”, mas a letra correta era “Quando o Coração Chora é a Dor”.

A canção romântica era uma versão de “Save Your Love“, de Renee Renato, que também chegou ao primeiro lugar de vendas no Reino Unido.

Falar horas ao telefone… fixo

O Credifone era muito útil para telefonar à pessoa amada quando íamos de férias com a família.

É verdade que o telefone continua a ser um instrumento essencial entre namorados — o engate pode começar no Tinder, as combinações fazem-se por chat e o estado da relação é atualizado no Facebook.

Mas, até quase ao virar do século, o telefone servia apenas para falar. E ligar para casa da pessoa amada implicava fazer figas para que não fosse o pai cioso ou o irmão gozão a atender o telefone.

Quando não se queria que o resto da família ouvisse a conversa, ou um dos dois estava de férias em parte distante, a alternativa era comprar um Credifone e falar da cabine telefónica.

(cont.)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.